Conceito de Taylorismo


Out 09, 16

O conceito de taylorismo procede dos postulados do Norte-americano Frederick Winslow Taylor, um economista e engenheiro nascido em 1856 e falecido em 1915. Taylor idealizou um método para organizar a actividade laboral que se baseia na especialização dos trabalhadores, o controlo do tempo destinado a cada actividade e a divisão de tarefas.

O taylorismo, por conseguinte, está relacionado com a organização das actividades que são levadas a cabo no meio laboral com vista a maximizar/optimizar a produtividade. Costuma-se definir como um sistema de organização científica ou racional das tarefas laborais, que aposta na mecanização para aumentar a eficiência.

O taylorismo consiste na divisão do trabalho em diferentes sequências e registar o tempo que leva cada uma. Cada operador trabalha numa sequência: isto é, não se encarrega dos diferentes passos implicados no trabalho. Posto isto, especializa-se numa única etapa do processo de produção.

Um processo complexo, deste modo, divide-se em várias tarefas mais simples. O trabalho de cada operário é cronometrado para minimizar a perda/o desperdício de tempo. O taylorismo também se apoia no pagamento por produtividade, motivando o operário a trabalhar mais depressa.

Os estudiosos do taylorismo concordam que este gerou uma substancial quantidade de mudanças no âmbito da indústria. Em termos concretos, trouxe consigo modificações tais como estas:

-Conseguiu que os operários/trabalhadores se especializassem, aumentando assim a sua destreza e, por conseguinte, a contribuição que realizavam à produção e benefícios da empresa em questão.
-Deu a oportunidade de se poder ter mais controlo sobre o trabalho em planta dos diversos operários.
-Permitiu que, graças à divisão de trabalho em que se baseava, se pudesse reduzir os custos e reorganizar muito melhor as tarefas.

O taylorismo também está associado ao fordismo, que se baseia na produção em série e no uso de uma linha de montagem. A ideia é que o trabalhador não precise de se deslocar para realizar a sua tarefa, de modo a que as peças cheguem até ele através de uma máquina que permite a realização contínua da produção.

Da mesma forma, o fordismo introduziu uma série de modificações consideráveis como os que se seguem a seguir:
-Apostou numa produção em massa.
-Deu a oportunidade de haver preços mais baixos dos produtos ao chegarem ao mercado.
-Permitia o poder conseguir uma maior capacidade de lucro.
-Os processos de trabalho tornaram-se muito mais mecanizados.

Dentro do âmbito da educação também se fala de taylorismo ou método taylorista. Neste caso, podemos dizer que se trata de uma alternativa que se sustenta, sobretudo, naquilo que são os resultados académicos do aluno. Isto é, que o mais importante de tudo são as notas que se obtém e não apenas os processos pedagógicos.

No entanto, nos últimos anos, esse tipo de método entrou em desuso em prol de outras alternativas consideradas mais apropriadas para os tempos que hoje vivemos, em que também se deve dar valor ao esforço independentemente do resultado conseguido.