Conceito de anfíbios


Nov 07, 12

Do latim amphibĭus, o termo anfíbio permite fazer referência ao animal que pode viver tanto na terra como submerso na água. Os sapos e as rãs, por exemplo, são animais anfíbios, já que, enquanto jovens, têm brânquias e vivem na água; porém, uma vez adultos, desenvolvem pulmões e passam a viver na terra.

Os anfíbios pertencem à classe dos vertebrados anamniotas, tetrápodes e ectotérmicos, com respiração branquial no período larvário e pulmonar enquanto adultos. Esta metamorfose que experimentam com o tempo faz dos anfíbios os primeiros vertebrados a conseguirem adaptar-se a uma vida semi-terrestre.

Para além desse desenvolvimento da respiração pulmonar, as mudanças incluem a aparição de extremidades e de órgãos sensoriais que funcionam em ambos os meios.

Actualmente, os cientistas estimam que existem cerca de 6.347 espécies de anfíbios que se repartem em 60 famílias. Pode-se mencionar ordens como os anuros (desprovidos de cauda/rabo, têm membros desiguais e uma coluna vertebral adaptada ao salto), os caudados (com membros iguais e cauda/rabo) e os gimnofiónios (igualmente chamados cecílias ou ápodos, são animais escavadores que não têm patas).

A noção de anfíbio (que significa “em ambos os meios” ou “ambas as vidas”) também permite fazer referência às plantas que podem crescer dentro da água ou fora dela; aos veículos que podem funcionar na água, na terra ou no ar e às manobras militares que se executam de forma conjunta entre as forças da terra, do mar e do ar.