Conceito de risível


Abr 04, 16

O vocábulo latino risibĭlis chegou à nossa língua sob a designação de risível. Trata-se de um adjectivo que se usa relativamente àquilo que provoca riso/vontade de rir. Exemplos: “Não consigo responder com seriedade a um argumento risível”, “O casal desfrutou de uma risível celebração do seu aniversário, com baile de máscaras e um espectáculo de humor”, “O governador teve uma passagem risível pelo estúdio de televisão”.

Cabe destacar que o riso costuma ser uma reacção espontânea perante um certo estímulo. Aquilo que é risível, por conseguinte, é um estímulo que causa graça, é divertido ou gera alegria. Perante um estímulo deste tipo, a pessoa reage, rindo-se. Peguemos no caso de um monólogo. Um artista pode subir para um palco e começar a falar, pondo em palavras diferentes pensamentos e ideias. Quando esse monólogo provoca riso/gargalhadas nas pessoas, pode-se dizer que se trata de um monólogo risível.

É importante mencionar, em todo o caso, que o adjectivo risível também costuma ser usado com sentido depreciativo, para desqualificar uma ideia alheia. Quando, consultado por um jornalista, o presidente de um país afirma que as propostas dos partidos políticos opositores são risíveis, não estará a dizer que essas propostas são engraçadas ou divertidas. Neste caso, o risível está associado à falta de seriedade e sugere que, como as propostas carece, desta seriedade, nem sequer devem ser consideradas ou analisadas.

A qualificação de risível, em suma, pode ser positiva ou negativa consoante o contexto. O humorista quererá que a sua actuação seja considerada risível, mas o político irritar-se-á se considerarem as suas ideias risíveis.