Conceito de consciência




Fev 05, 12 Conceito de consciência

Com origem no vocábulo latim conscientĭa (“com conhecimento”), a consciência é o acto psíquico mediante o qual uma pessoa enxerga a sua presença no mundo. Por outro lado, a consciência é uma propriedade do espírito humano que permite reconhecer-se nos atributos essenciais.

Torna-se difícil especificar o que é a consciência pelo facto de não ter qualquer elemento correlativo físico. Trata-se do conhecimento reflexivo das coisas e da actividade mental que só é acessível ao próprio sujeito. Por isso, de fora, não se podem conhecer os detalhes do consciente.

A etimologia da palavra indica que a consciência inclui aquilo que o sujeito conhece. Já, as coisas inconscientes são aquelas que surgem noutro nível psíquico e que são involuntárias ou incontroláveis para o individuo.

Para a psicologia, a consciência é um estado cognitivo não-abstracto que permite que a pessoa interaja e interprete os estímulos externos que constituem aquela que conhecemos como sendo a realidade. Uma pessoa que não tenha consciência tende a desligar-se da realidade e a não ter noção daquilo que acontece em sua volta.

A psicologia faz a distinção entre o nível consciente (estabelece as prioridades), o pré-consciente (depende do objectivo a cumprir) e o inconsciente (não se racionaliza). A estrutura da consciência prende-se com a relação que estabelecem estes três níveis.

A filosofia considera que a consciência é a faculdade humana para decidir acções e se responsabilizar pelas consequências de acordo com a concepção do bem e do mal. Deste modo, a consciência seria um conceito moral pertencente ao âmbito da ética.