Conceito de dimorfismo


Jul 22, 14

A noção de dimorfismo é usada no campo da biologia para fazer referência à condição daquelas espécies de animais ou de plantas que apresentam dois aspectos anatómicos ou duas formas diferentes. É possível, neste sentido, distinguir diversos tipos de dimorfismos.

O dimorfismo sexual caracteriza-se pelas variações na fisionomia entre machos e fêmeas. Este dimorfismo costuma estar presente na maior parte das espécies, ainda que com graus distintos.

No caso dos répteis, dos insectos e das aranhas, por exemplo, as fêmeas tendem a ser maiores do que os machos. O contrário acontece com os mamíferos, um grupo onde os machos podem alcançar um tamanho muito maior àquele que apresentam as fêmeas.

Os cervos (o macho tem galhos e a fêmea, não) e os leões (o macho destaca-se pela sua juba) são dois animais com um claro dimorfismo sexual. Inclusive no caso do ser humano, o dimorfismo sexual é evidente, já que os órgãos sexuais dos homens se manifestam externamente, ao passo que as mulheres têm as glândulas mamárias mais pronunciadas.

O dimorfismo geracional (a alternância de diversas formas de reprodução numa mesma espécie), o dimorfismo sazonal (alterações na coloração da plumagem das aves consoante a época reprodutiva) e o dimorfismo ecológico (as alterações de acordo com a relação com o ambiente ou os hábitos) são outros tipos de dimorfismos constatados pela biologia.

Para a geologia, o dimorfismo é a condição daquela substância que se pode cristalizar em dois sistemas diferentes.