Conceito de empatia


Jan 21, 11

A empatia é a identificação mental e afectiva de uma pessoa com o estado de ânimo de outra. Também é conhecida como inteligência interpessoal, enquanto capacidade cognitiva de sentir, num contexto comum, aquilo que outro individuo pode experienciar.

A empatia consiste na atitude de um sujeito relativamente a outro, caracterizada por um esforço objectivo e racional de compreensão intelectual dos sentimentos daquele. Como tal, a empatia exclui os fenómenos afectivos (simpatia, antipatia) e os juízos morais. A empatia é portanto um dos instrumentos a que recorrem os psicólogos na sua actividade profissional.

A empatia também se diferencia do contágio emocional, já que este só faz sentido no caso de uma pessoa passar pelo mesmo estado afectivo que outra sem conservar qualquer distância. Estas características fazem com que alguns investigadores prefiram referir-se à empatia cognitiva por esta assentar num mecanismo neutro.

Por outras palavras, a empatia descreve a capacidade intelectiva de uma pessoa ao vivenciar a forma como sente outro indivíduo. Esta capacidade pode ajudar a compreender melhor o seu comportamento ou a sua forma de tomar decisões. Trata-se, por assim dizer, da habilidade para entender as necessidades, os sentimentos e os problemas dos outros, pondo-se no lugar deles e respondendo correctamente às suas reacções emocionais.

O desenvolvimento da empatia requer uma certa classe em termos de inteligência: por isso, aqueles que sofrem de autismo, síndrome de Asperger ou determinadas psicopatias não contam com esta capacidade cognitiva. As pessoas com empatia são capazes de ouvir os outros e de entender os seus problemas e as suas motivações.