Conceito de forma nominal do verbo


Dez 15, 16

A expressão forma nominal do verbo é usada para citar as palavras que parecem verbos, mas, ao nível sintáctico, que actuam de forma diferente. Noutros termos, é um verbo conjugado de maneira impessoal.

Como há formas nominais do verbo não conjugadas na primeira, segunda ou terceira pessoa, não são verbos, mas um tipo diferente de palavra. As formas nominais do verbo podem ser infinitivos, gerúndios ou particípios.

No caso de formas nominais do verbo no infinitivo, terminam em “ar”, “er” ou “ir” e têm a função de sujeito (substantivo) numa oração. Aqui está um exemplo. Na expressão “As portas abertas são mais difíceis de fechar” é o verbo “são”. Como se pode constatar, “abertas” não actua como um verbo, mas é o núcleo do sujeito, a qual é formada pelo objecto directo “portas”. O sujeito da frase, portanto, é “portas abertas”.

O gerúndio consiste em verbos que terminam em “ando” ou “endo” e funcionam como advérbios. Por exemplo: “Recordando que a estrada está coberta de gelo, preveja correntes nas rodas”. O verbo é “resolvido”, ao passo que “lembrar” permite o desenvolvimento de uma construção circunstancial.

O particípio consiste em verbos terminados em “ado” ou “ido”. Funcionam como adjectivos e modificadores que os verbos podem receber: “O Ricardo foi atropelado, mas o irmão foi atingido.” Em suma, pode-se dizer que as formas nominais do verbo são formas verbais impessoais que agem como substantivos, adjectivos e advérbios ou falta de valor da acção.