Conceito de linguagem figurada




Set 29, 11 Conceito de linguagem figurada

A linguagem figurada é aquela pela qual uma palavra exprime uma ideia recorrendo a outros termos, apelando assim a uma semelhança, seja esta real ou imaginária. A linguagem figurada opõe-se à linguagem literal, já que esta usa as palavras com o seu verdadeiro significado, isto é, refere-se às coisas tais como elas são.

Por exemplo: O termo cão refere-se, no sentido literal, a um mamífero quadrúpede pertencente à família dos canídeos. Contudo, na linguagem figurada, o conceito permite fazer referência, pelo menos em Portugal, a algo pejorativo (negativo). “Que vida de cão a tua!” significa que a pessoa em questão tem uma vida miserável e que vive sob péssimas condições, sem qualquer reconhecimento ou recompensa por isso. Ainda na mesma linha de raciocínio, o Brasil usa o termo cachorro igualmente com conotação negativa: “Você é um cachorro” (o receptor tem mau carácter, de acordo com o emissor).

A linguagem figurada sugere significados, cabendo ao ouvinte ou leitor descobrir o verdadeiro sentido. Imaginemos, por exemplo, que alguém ouça a frase “esta senhora leva uma vida de cão” e que essa mesma pessoa desconheça os códigos linguísticos usados em Portugal. É bem provável que fique desconcertada.

Aquilo que produz a linguagem figurada é um deslocamento do sentido. “O meu chefe rugiu-me e deixou-me sem quaisquer hipóteses” não significa que o patrão do falante seja um leão (o animal que ruge). A frase está a sugerir que o chefe tem uma atitude feroz, sendo uma pessoa com quem não se pode conversar.

A linguagem figurada marca fortemente a sua presença na poesia e nos textos literários. Em contrapartida, nos documentos científicos ou jurídicos, entre outros, é mais usada a linguagem literal (cuja função consiste unicamente em comunicar) pela sua maior precisão e neutralidade, evitando assim confusões ou ambiguidades.