Conceito de luxúria




Abr 03, 12 Conceito de luxúria

Do latim luxurĭa, a luxúria é o apetite voraz, desmedido e ilimitado pelos prazeres carnais. O termo tende a ser associado ao desejo sexual incontrolável. Porém, pode perfeitamente ser usado para fazer referência ao excesso ou à demasia de outra coisa qualquer. A luxúria está ligada à lascívia, que é a impossibilidade de controlar a libido.

Por norma, as religiões condenam a luxúria. Para o catolicismo, a luxúria é um pecado capital, ao passo que para o hinduísmo, representa um dos cinco males. A religião considera que o desejo sexual já é luxurioso em si, independentemente de pertencer ou não ao campo da obsessão. A condenação moral à luxúria diz respeito, por exemplo, à proibição de ter relações sexuais fora do matrimónio.

A luxúria está relacionada, noutros termos, aos pensamentos possessivos sobre outra pessoa. Quando este tipo de obsessões chega a um extremo patológico, pode dar origem a compulsões sexuais, abusos e violações.

Um princípio teológico afirma que a fonte de amor é sempre Deus; amando Deus, pode-se amar todos os seres humanos. No entanto, quando não há amor a Deus, também não há amor a quem quer que seja. A luxúria aparece quando se tenta possuir o outro sujeito para obter amor, fora de Deus. Trata-se, por conseguinte, de uma desumanização do ser amado.

A resposta religiosa contra a luxúria é o amor a Deus e o reconhecimento do outro ser como objecto de criação divina. Posto isto, o amor ao próximo sempre é amor a Deus.