Conceito de minimalismo


Mar 04, 14

O minimalismo é uma corrente artística que só utiliza elementos mínimos e básicos. Por extensão, na linguagem corrente, associa-se o minimalismo a tudo aquilo que tenha sido reduzido ao essencial e que não apresente nenhum elemento sobrante o acessório.

Exemplos: “Gostava de implantar o minimalismo na decoração da minha casa”, “O artista sueco é um dos máximos expoentes do minimalismo na pintura contemporânea”, “Não aprecio o minimalismo, prefiro as ornamentações barrocas e repletas de detalhes”.

O objectivo do minimalismo, por conseguinte, consiste em criar sentido a partir do mínimo, o que requer simplificar os elementos utilizados, recorrendo a uma linguagem simples, cores puras e linhas simples.

O filósofo inglês Richard Wollheim (1923-2003) é considerado o responsável por criar o conceito do minimalismo, em referência às obras do Norte-americano Ad Reinhardt e do Francês Marcel Duchamp.
Na opinião dos peritos, enquanto tendência artística, o minimalismo surgiu na década de 1960 a partir de uma economia de meios, do uso da abstracção, do purismo funcional e estrutural, da austeridade e da síntese.

Pintores e escultores, nomeadamente Reinhardt, Donald Judd, Dan Flavin e Robert Mangold, foram os primeiros a dedicar-se ao minimalismo. Posteriormente, o minimalismo expandiu-se para a arquitectura (o movimento De Stijl) e a música (Brian Eno), entre outros âmbitos.

O minimalismo também se reflecte numa filosofia ou forma de vida que propõe dedicar-se àquilo que realmente importa e descartar tudo quanto é desnecessário como meio para alcançar a realização (plenitude) pessoal.