Conceito de oligofrenia




Abr 06, 12 Conceito de oligofrenia

A oligofrenia é uma deficiência mental. O termo provém do idioma grego e significa “pouca inteligência”.

A síndrome oligofrénica é o nome que, antigamente, era dado à patologia psíquica que consistia numa deficiência mental grave produzida pela interrupção do desenvolvimento da inteligência durante o período intra-uterino ou em muito tenra idade (sempre antes dos 18 anos).

De acordo com o grau de incapacidade, a oligofrenia era dividida em quatro tipos que deixaram de ser usados por serem considerados pejorativos e discriminativos: idiota (os sujeitos com quociente de inteligência inferior a 30, incapazes de comunicar e impossíveis de educar), imbecil (QI inferior a 60, incapazes de ler e escrever), débil (QI inferior a 90, sem capacidade para desenvolver abstracções mentais) e sábio idiota (auto-suficientes para tarefas manuais embora carentes de critério).

Outra classificação que se faz entre os sujeitos com oligofrenia distingue entre não recuperáveis (aqueles que não desenvolvem linguagem), dificilmente recuperáveis (desenvolvem a linguagem embora de forma imperfeita) e os recuperáveis ou débeis mentais. O conjunto dos débeis mentais pode subdividir-se entre aqueles que frequentam uma escola comum e aqueles que frequentam um estabelecimento de ensino especial.

Por fim, há autores que distinguem entre o conceito de oligofrenia e o de atraso mental. Desta forma, limitam o uso da noção de oligofrenia ao atraso mental provocado por causas físicas ou patológicas (deixando de lado o atraso provocado por falta de estímulos). Neste sentido, a oligofrenia tem uma causa orgânica, podendo ser genética (ou pré-natal), perinatal (durante o parto) ou pós-natal.