Conceito de razão




Jan 21, 12 Conceito de razão

O termo razão provém do latim ratĭo. O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora abarca várias acepções para esta palavra, entre elas a faculdade de reflectir/reflexionar, o argumento que se alega para sustentar algo, o motivo ou a causa, e o quociente de dois números.

Para a filosofia, a razão é a faculdade em virtude da qual o ser humano é capaz de identificar conceitos e de os questionar/pôr em causa. Desta forma, consegue determinar a coerência ou a contradição entre eles e pode induzir ou deduzir outros diferentes daqueles que já conhece.

A razão apela a distintos princípios tautológicos (que se explicam por si mesmos), como o princípio da identidade (que evidencia que um conceito é esse mesmo conceito), o princípio da não contradição (um mesmo conceito não pode ser e não ser em simultâneo) e o princípio (ou a lei) do terceiro excluído (entre o ser ou não ser de um conceito, não cabe situação intermédia).

Por outro lado, pode-se mencionar dois grandes tipos de raciocínio: o dedutivo (que considera que a conclusão está implícita nas premissas) e o indutivo (obtém conclusões gerais de algo em concreto).

A razão da progressão geométrica é a constante numa comparação de duas quantidades pelo seu quociente. Tem por base a capacidade de determinar quantas vezes contém uma à outra.

Por fim, convém frisar que existem muitos provérbios sobre a razão: “O coração tem razões que a própria razão desconhece”; “À medida que a razão cresce, o instinto enfraquece”; “A razão das razões é a experiência”; “Onde governa a razão, obedece o apetite”, entre outras…