Conceito de silogismo




Set 29, 11 Conceito de silogismo

Um silogismo é um argumento que consta de três proposições; destas, a última deduz-se necessariamente a partir das duas outras. O termo resulta do conceito latim syllogĭsmus, que, por sua vez, deriva de um vocábulo grego.

Trata-se de uma forma de raciocínio dedutivo em que duas das proposições são premissas e a terceira é uma conclusão. O silogismo é uma argumentação que, a partir de um antecedente que compara dois termos com um terceiro, permite inferir ou deduzir um consequente.

Por outras palavras, o modelo de silogismo é formado por três proposições que incluem um termo médio (que é comum às duas premissas e é eliminado na conclusão) e dois extremos. Vejamos um dos exemplos mais usados neste contexto:

“Todo o homem é mortal”
“Sócrates é homem”
“Logo, Sócrates é mortal”.

Há que ter em conta que, nos silogismos, nem sempre se tiram conclusões verdadeiras, mesmo que o raciocínio seja válido. Por exemplo:

“Todos os cães foram cachorros”
“O Snoopy é um cão”
“Logo, o Snoopy foi um cachorro”

Ainda que o silogismo seja válido do ponto de vista lógico, a conclusão é falsa, tendo em conta que o Snoopy é um cão da ficção (banda desenhada), pelo que não há qualquer possibilidade de alguma vez ter sido um cachorro na vida real.

Nos silogismos, convém salientar que nunca se chega a uma conclusão se duas das respectivas premissas forem negativas. Por outro lado, também nunca se chega a uma conclusão negativa perante duas premissas afirmativas.

Os tipos de silogismo podem classificar-se em quatro figuras distintas com três termos, que totalizam 256 tipos de silogismo: destes, apenas 19 são legítimos.