Conceito de sinais vitais


Jun 27, 16

Sinais, com origem etimológica no vocábulo signum, é aquilo que, seja por convenção ou por natureza, consegue substituir outro objecto ou representá-lo. Os sinais também são sinais ou indícios de algo. Vital, por sua vez, é um adjectivo proveniente de vitālis e que se refere àquilo que está relacionado com a vida, àquilo que transcende aquilo que tem muita energia.

Por sinais vitais entende-se o conjunto de variáveis fisiológicas que os médicos analisam para a valorização das funções orgânicas elementares. Uma pessoa que careça de sinais vitais, por conseguinte, está morta: por outras palavras, a ausência de sinais vitais permite a um profissional da medicina confirmar o falecimento de um indivíduo.

Os sinais vitais que costumam ser considerados são a frequência cardíaca, a frequência respiratória, a tensão arterial e a temperatura do corpo. Para estudar estes sinais, é analisado o ritmo da inalação e exalação na respiração, tira-se a pulsação (considerado a partir do inchaço das artérias quando passa o sangue) e usam-se termómetros e tensímetros para obter informação sobre a temperatura e a tensão.

Os valores normais dos sinais vitais dependem de diversas questões, como a idade do paciente. A frequência cardíaca de uma criança de 10 anos não é igual à frequência de um homem de 50 anos, por exemplo.

Se um médico destaca-se com um indivíduo a quem não se apanha pulso, o seu coração não bombeia sangue e não respira, pode indicar que o sujeito não mostra sinais vitais.