Conceito de vampiro


Out 31, 16

O conceito de vampiro, que deriva do francês vampire, tende a criar confusão. O termo pode aludir a uma criatura mitológica ou a um animal real. Além do mais, tem um uso simbólico/figurado que se aplica a certos individuos.

Como ser de ficção, um vampiro é um espectro nocturno que suga o sangue dos seres vivos como método de subsistência/sobrevivência. Muitas vezes está associado aos vampiros com os mortos vivos: isto é, com pessoas que, depois de falecer, se mantêm activas como vampiros.

Embora haja diversas representações, os vampiros são descritos como seres com unhas compridas e afiadas e uma tez pálida. Estas criaturas, de acordo com o folklore, não projectam sombra e muito menos se reflectem nos espelhos.

Um dos vampiros mais populares é o Drácula, personagem criada pelo escritor Bram Stoker em 1897 que está inspirado em Vlad Tepes, príncipe de Valáquia do século XV. Drácula não só aparece na obra de Stoker, como também protagoniza diversos filmes e séries televisivas.

Vampiro também é o nome que recebem as espécies de morcego que se alimentam por hematofagia: absorvendo sangue de outros animais. Estes vampiros que habitam no continente americano podem transmitir a raiva.

Outra acepção do vocábulo, por fim, é simbólica e permite mencionar qualquer individuo que se aproveite ou abuse de outros por avareza. Exemplos: “O país está a ser vítima de vampiros financeiros”, “López é um vampiro que exprime os seus funcionários até estes cederem”, “Tem cuidado com os vampiros que te abordem para te apanhar o dinheiro que acabas de herdar”.