Conceito de vidro


Fev 03, 17

Do latim vitrĕum, o vidro é um material de grande dureza mas que, ao mesmo tempo, ré bastante frágil. É inorgânico, carece de estrutura cristalina e permitir a passagem da luz. Para obter vidro, é necessário fusionar caliza, areia silícea e carbonato de sódio e moldar a mistura a elevada temperatura.

As lâminas de vidro são utilizadas para o fabrico de janelas, portas, garrafas e outros produtos. É importante fazer a distinção entre o vidro e o cristal, tendo em conta que o vidro pode definir-se como um sólido amorfo.

Por exemplo: “Cuidado, não te cortes com esses vidros partidos”, “As garrafas de vidro são mais económicas do que as de plástico”, “Preciso de um vidro bastante resistente para fabricar uma mesa”, “Tenho de ir comprar um vidro novo, pois quebrou-se a janela do quarto”.

Existem diversos tipos de vidro nos tempos que correm, pelo que se poderia falar dos seguintes:
Sódico-cálcico. Neste caso concreto o principal componente do vidro é o silício ainda que também tenha cálcio, que é quem lhe confere estabilidade química, e com sódio, que é o responsável pela fusão. Deste tipo de vidro podemos destaca que é o mais barato e aquele que se derrete com mais facilidade.

De chumbo. O óxido de cálcio é substituído neste caso pelo de chumbo, o que supõe que esse material, ainda que seja tão transparente quanto o sódico-cálcico, se identifique por uma serie de características, nomeadamente uma incrível absorção dos raios ultravioletas, uma excelente capacidade isoladora e uma melhor ductilidade.

De Borosilicato. Neste caso concreto, os seus principais componentes são o silício e também o boro, o que supõe que entre as suas características se destaque que bastante resistente às mudanças súbitas de temperatura e ao calor.

É este que é usado na confecção e elaboração de utensílios que são usados tanto em laboratórios como nos fornos das cozinhas domésticas.
De Silício. Uma grande dureza define este tipo de vidro que de todos os existentes é o mais difícil de trabalhar/manipular. Tal como acontecia com o anterior, oferece grande resistência ao calor pelo que também é usado na criação de instrumentos como tubos de protecção ou mesmo no revestimento de fornos.

Acredita-se que os primeiros produtos fabricados com vidro foram contas de collar. Por volta do ano 1200 a.C., o fabrico do vidro era bastante popular no Egipto e na Mesopotâmia.

Uma técnica artesanal para a produção de objectos de vidro é o sopro, que consiste em criar bolhas de ar no vidro que já se encontre no seu estado fundido. Para isso, é usado um tubo de metal que permite injectar ar no material,seja com a utilização de uma máquina ou soprando.

Cabe destacar que o vidro é um material reciclável, sem que perca as suas propriedades no processo e sem que haja limites para a quantidade de vezes que seja reciclado. É habitual que os vidros sejam separados de acordo com a cor antes de serem triturados e fundidos.