Conceito de aborto provocado


Mai 10, 13

Aborto é a acção de abortar (acabar, desaparecer antes do termo natural, morrer prematuramente, fracassar). O conceito, que deriva do latim abortus, tende a ser usado para fazer referência à interrupção da gravidez, seja por causas naturais ou provocada de forma intencional.

O aborto provocado (ou induzido) é a interrupção voluntária da gravidez. A prática consiste em provocar a finalização prematura da gravidez, impedindo o desenvolvimento vital do embrião ou do feto para a sua eliminação.

Este tipo de aborto pode ser realizado de maneira cirúrgica ou química (com medicamentos) e pode trazer sérias consequências físicas e psicológicas para a mulher. A maioria das legislações proíbe o aborto provocado pelas suas implicações éticas, morais, religiosas e sociais. Enquanto os defensores do aborto legal falam da liberdade da mulher, os opositores consideram que o aborto é o assassinato de uma criança por nascer. Convém destacar que, independentemente das leis, os abortos provocados são praticados em todo o mundo sob diversas condições.

O aborto por causas naturais, por sua vez, chama-se aborto natural ou aborto espontâneo. Trata-se da perda do embrião ou do feto, que tem lugar antes da vigésima semana de gravidez. Depois desse período, fala-se de parto prematuro.

O aborto espontâneo pode classificar-se como retido (o organismo não elimina nenhum produto da gestão), incompleto (são eliminados alguns produtos) ou completo (a totalidade dos produtos da gestação são eliminados).

Entre as causas do aborto espontâneo, as mais frequentes são as anomalias congénitas do feto, as anormalidades do sistema reprodutor e as doenças sistémicas ou infecciosas da mãe.