Conceito de necessidade




Fev 04, 12 Conceito de necessidade

Dos vários usos do conceito necessidade, que provém da palavra latina necessitas, previstos no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, destacaremos alguns.

Por exemplo, uma necessidade é um impulso irresistível que, de alguma forma, faz com que os actos não possam falhar. Também é aquilo a que é impossível ser indiferente, ignorar ou resistir; a carência das coisas que são imprescindíveis para sobreviver; a falta continuada de géneros alimentares que leva a pessoa a desfalecer; e o risco ou perigo em que se necessita de ajuda imediata.

Também não poderíamos deixar de mencionar que o termo necessidades (no plural) se refere à acção de defecar ou urinar.

Convém destacar que as necessidades são inerentes à condição humana. As pessoas sentem sempre falta daquilo que desejam satisfazer.

Alguns estudiosos hierarquizaram as necessidades. O psicólogo norte-americano Abraham Maslow dividiu-as em necessidades fisiológicas (como a comida, a bebida, a roupa e um lar); necessidades de segurança (a protecção, o cuidado), necessidades de pertença, de afecto, de amor e de amizade; necessidades de auto-estima, auto-valorização, êxito e prestígio; e as necessidades de auto-realização.

Também se pode classificar as necessidades em essenciais e ocasionais. As primeiras, por sua vez, dividem-se em necessidades de qualidade (quando o sujeito conhece o bem genérico e adequado para satisfazer as suas necessidades) e em necessidades de quantidade (quando o sujeito pode inferir quantos bens necessitará para saciar a sua necessidade).

Na área do marketing, a necessidade associa-se ao desejo de adquirir um certo produto ou uma determinada marca. Por isso, as campanhas de mercadologia trabalham de modo a activar as necessidades. Neste sentido, o marketing não cria as necessidades (uma vez que já existem), mas detecta-as e transforma-as em oportunidades de negócio.