Conceito de pouco


Mai 01, 15

Pouco, com origem no latim paucus, é um adjectivo que permite qualificar algo que não é suficiente ou que é escasso. Exemplos: “Peço-te desculpa, mas tenho pouco tempo: por favor, sê breve”, “Sobra pouco arroz, vou ter de ir ao mercado para poder preparar um guisado para o jantar”, “Tenho pouco dinheiro comigo, mas acho que vai chegar para pagar o bilhete para o concerto”.

É importante ter em conta que a noção de pouco pode ser subjectiva. Ter “pouco dinheiro” pode ser algo bastante distinto consoante a pessoa que estiver a falar, uma vez que essa qualificação dependerá, em grande parte, da classe social e do contexto. Não é o mesmo ter “pouco dinheiro” para comprar uma casa nova que contar com “pouco dinheiro” para preparar a comida.

Por outro lado, o uso deste termo para qualificar uma quantidade também pode responder a questões sem resolver do passado (como traumas das infância) que impeçam de reconhecer que, na realidade, não existe carência. É provável que um indivíduo que tenha enfrentado a pobreza extrema durante os seus primeiros anos de vida, por exemplo, nunca deixe de se preocupar pelas questões económicas, que não se conforme com os seus logros neste aspecto por medo de perder tudo e voltar à sua situação passada; por outras palavras, considera sempre ter pouco, embora as pessoas que o conhecem não sejam da mesma opinião.

Existem vários conceitos que são contrários ou opostos a pouco, como muito ou bastante. Um indivíduo que expressa “Tenho pouco para fazer esta tarde” está a dizer que tem tempo livre devido à falta de actividades. No entanto, se disser “Tenho muito que fazer esta tarde”, está-se a referir a uma multiplicidade de obrigações (compromissos) e tarefas por cumprir.

Quando se combina com o termo demasiado, que pode servir de adjectivo ou advérbio dependendo do caso, pode-se falar de demasiado pouco; isto indica que não se dispõe do mínimo necessário de algo, seja material ou simbólico. Embora à simples vista pareça uma contradição, não é pois serve para expressar que algo se apresenta em quantidade insuficiente, menor daquilo que seria de esperar.

O mesmo acontece com a expressão muito pouco, embora neste caso a escassez não anule a efectividade da cosa, mas a presente na quantidade justa. Vejamos um exemplo prático: ter muito pouca farinha para confeccionar a massa de uma pizza não impede de a fazer, por mais que resulte numa quantidade mínima; com demasiado pouca farinha não se pode preparar essa massa.