Conceito.de

Conceito de displicente

O vocábulo latino displĭcens, derivado de displicēre, chegou à nossa língua sob a designação de displicente. Posto isto, assim se qualifica aquilo ou quem é altivo, arrogante, apático ou indiferente.

Exemplos: “Não vou tolerar a atitude displicente de ninguém nesta equipa”, “Quando foi increpado pela mulher, o cantor limitou-se a esboçar um sorriso displicente”, “O presidente, em tom displicente, garantiu aos empresários que sabe perfeitamente aquilo que está a fazer”.

O conceito de displicente é usado na área dos desportos para aludir ao jogador que não obedece às indicações do seu treinador e que, por conseguinte, não respeita as estratégias ou as tácticas do conjunto. Um desportista displicente, por outro lado, não se esforça ao máximo nem mostra compromisso.

Suponhamos que um jogador de futebol procura sempre resolver as suas jogadas com alguma acção luxuosa, que lhe permita destacar-se a nível individual embora não seja eficaz nem útil para a equipa. Além do mais, não se costuma envolver nas tarefas que não lhe diz respeito, mas que são necessárias para o conjunto. Por todos estes motivos, o jogador de futebol em questão é qualificado como “displicente” pelos jornalistas.

Dá-se o nome de displicência, por outro lado, à indiferença ou à abulia na forma de tratamento. Deste modo, o tratamento displicente é frio e apático, evidenciando desinteresse pelo outro, e inclusive reflectindo, em alguns casos, falta de respeito: “A mulher, desesperada, dirigiu-se ao governador para pedir a sua colaboração e o mandatário tratou-a de forma displicente, dizendo-lhe que ajudava todos os vizinhos através das suas decisões políticas”.