Conceito de Banco Mundial




Jul 09, 12 Conceito de Banco Mundial

O Banco Mundial é uma entidade especializada da Organização das Nações Unidas (ONU). Muitas das vezes, o seu nome escreve-se de forma abreviada, isto é, apenas com as iniciais BM e, em inglês, é conhecido como World Bank Group ou WBG.

Esta instituição, cuja sede se encontra em Washington (Estados Unidos), foi criada no ano 1944 e é integrada por 185 países-membros. O seu objectivo principal consiste em reduzir os índices de pobreza através de créditos com taxas de juros baixas e apoios económicos para as nações em vias de desenvolvimento.

O Banco Mundial nasce como uma extensão do Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD), uma iniciativa planeada para ajudar as nações europeias na sua reconstrução, na sequência da Segunda Guerra Mundial.

Os inícios do BM

Foi fundado em 1945, depois da Segunda Guerra Mundial, tendo sido primeiramente aprovado por 38 países, chegando a alcançar 181 Estados membros. Procurava-se fundamentalmente ajudar a economia dos países europeus que tinham sido devastados pela guerra, oferecendo-lhes empréstimos com vista à reconstrução dos mesmos. O primeiro a usufruir da sua ajuda foi a França (250 milhões de dólares), seguindo-se posteriormente o Chile, o Japão e a Alemanha, entre muitos outros.

O BM mantém-se graças ao reembolso dos juros e à especulação na bolsa de valores, para além das quotas que os Estados pagam para puderem participar nesta organização. Os países que fazem parte do BM têm direito a pedir dinheiro emprestado em caso de catástrofe. Deste modo, justifica-se o pagamento de elevadas taxas para evitar ficar na ruina total em tais situações. Em 1990, o Banco Mundial concedeu o maior empréstimo jamais dado até então, ao México, no valor de 1.260 milhões de dólares, para que o país o usasse para pagar a sua dívida externa.

Tendo em conta o grande endividamento que quase todos os países tinham com o BM, surgiu a ideia da iniciativa a favor dos países pobres altamente endividados (PPAE), através da qual era perdoada parte da dívida aos países com dificuldades, à condição de estes adoptarem e aplicarem novas políticas de ajustamento estrutural.

O Grupo do Banco Mundial dispõe de escritórios em mais de cem países e conta com o profissionalismo de mais de 10.000 funcionários. Por outro lado, cerca de 5.000 pessoas colaboram com a organização de forma temporária ou na qualidade de consultores.

O BM não tem um dono absoluto. Com efeito, todos os países membros são donos embora alguns Estados tenham mais acções neste organismo, o que lhes permite gozar de maiores privilégios, como acontece com: os Estados Unidos (16.98% dos fundos do BM provêm deste país), o Japão (possui 6.24% das acções), a Alemanha (4.82%), a França e o Reino Unido (4,62% cada um). Sabe-se que quanto mais o país contribui financeiramente, maior é a sua influência na tomada de decisões.

Entre as entidades que fazem parte do grupo, destacaremos a Associação Internacional de Fomento (AIF, 166 países membros), o Banco Internacional para a Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD, com 185 países membros), a Agência Multilateral de Garantia de Investimentos (consociada como AMGI, 171 países membros), o Centro Internacional para Arbitragem de Disputas sobre Investimentos (CIADI, 143 países membros) e a Corporação Financeira Internacional (CFI, 179 países membros).

Cabe destacar que o Banco Mundial tem à disposição uma equipa de Directores Executivos constituída por 12 Directores Executivos estáveis, já titulares, e outros 12, neste caso suplentes, mas que não estão autorizados a participar nas votações. Por outro lado, compete ao Directório Executivo eleger o Presidente do organismo.

A forma de operar do BM consiste numa reunião anual que se realiza entre Setembro e Outubro, durante a qual é analisada a situação económica dos países membros, e à qual participam portanto os 24 Directores Executivos, sendo que os países detentores de mais acções no BM são os que maior peso têm na hora de tomar decisões e de estabelecer de que forma deverá operar cada país a partir desse momento.

Existem muitas posturas e opiniões relativamente à eficácia ou ao carácter nocivo que esta instituição tem na economia mundial. De forma concisa, destacam-se três posturas acerca desta entidade:

*Aqueles que acham que o BM está a contribuir para o desenvolvimento e a eliminação da pobreza no mundo, tendo em conta a eficácia dos projectos (embora sem muito poucos aqueles que defendem esta postura, ou que a admitem).

*Aqueles que consideram que o BM é o principal responsável da pobreza estrutural, mas que se fossem planeadas novas medidas de integração social, poderia modificar positivamente.

*Aqueles que afirmam igualmente ser o responsável da pobreza no mundo e que, inclusive, sustentam que deveria desaparecer para dar lugar a novos mecanismos que projectassem uma arquitectura económica mais justa e que distribuíssem verdadeiramente a riqueza, sem defender os interesses particulares dos grandes accionistas, como acontece com o BM.