Conceito de adoquim


Set 20, 17

Do árabe clássico dukkān ao árabe hispânico addukkín ou addukkán e depois para a nossa língua sob a designação de adoquim, mais conhecido pelo nome de “paralelo”, este conceito alude a uma pedra à qual se lhe dá uma forma rectangular para que possa ser usada na concepção de empedrados. Os adoquins são geralmente usados na pavimentação das ruas.

Por norma, opta-se pelo granito para a criação dos adoquins. Estas pedras são fáceis de trabalhar e, além do mais, são bastante resistentes. É habitual criar-se adoquins de pequenas dimensões para que seja possível manipulá-los manualmente.
Os primeiros empedrados, na antiguidade, eram feitos com pedras ao natural, sem trabalho de lavragem. Com vista a facilitar os deslocamentos, os Romanos começaram a talhar as pedras e, deste modo, há mais de dois mil anos, surgiram os adoquins.

Até ao século XIX podemos determinar que era usado de forma massiva nas grandes cidades, até que as necessidades militares e sociais fizeram-as cair em desuso. No entanto, isso não impede que, hoje em dia, existam muitas ruas que tenham preservado o seu solo de adoquins e que, graças ao mesmo, têm um valor inegável.
Durante muito tempo, a maioria das vias de circulação das cidades eram pavimentadas com paralelos. A partir da massificação dos automóveis, o empedrado de adoquins passou a dar lugar à pavimentação com asfalto, mais favorável para a circulação dos veículos.
Na linguagem da geometria, parelelo é analógico a paralelipípedo.