Conceito de aziago


Set 03, 13

Aziago tem a sua origem no latim aegyptiācus, que se pode traduzir por “dia de azar”. Este adjectivo é usado para se referir àquilo que é funesto, desafortunado, infeliz ou que pressagia desgraça. Exemplos: “Foi um comentário aziago que causou uma grande revolta”, “Não quero passar outro dia aziago que me faça repensar em coisas negativas”, “Uma pancada aziaga deixou-o fora de combate”.

O que é aziago tende a estar associado a eventos infelizes ou de pouca sorte. Se um jogador de futebol, a iniciar com a sua nova equipa, marca um auto-golo e acaba por ser expulsado, pode-se dizer que teve um primeira partida aziaga. Ninguém espera que um momento tão aguardado, que gera alegrias e cria expectativas, acabe de forma azarenta.

Às vezes, a noção de aziago é usada para qualificar um dia que, por diversos motivos, corre mal. Um acidente que deixa dezenas de mortos pode transformar um Sábado qualquer num sábado aziago. Isto não significa, obviamente, que todas as pessoas tenham sofrido de maneira directa uma desgraça nessa data. Contudo, a magnitude da tragédia faz que, a nível geral ou nos meios de comunicação, se fale desse acontecimento aziago.

“El aciago demiurgo” (literalmente, “o aziago demiurgo”; obra não disponível em português), por outro lado, é a versão espanhola do original “Le mauvais demiurge”, obra do Francês Emil Mihai Cioran (1911-1995). A ideia de demiurgo (criador) pertence ao gnosticismo e está relacionada com uma entidade que se considera como impulsora do universo, mas não necessariamente a criadora do mesmo, ao passo que o platonismo associa o demiurgo à imperfeição, o que, para o gnosticismo, está relacionado com a maldade (daí a escolha do adjectivo “aziago” no título).