Conceito.de

Conceito de dispositivo

Do latim disposĭtus (“disposto”), um dispositivo é um aparelho ou mecanismo que desenvolve determinadas ações. O seu nome está relacionado com um artifício que está disposto a cumprir com o objetivo do utilizador. Exemplos: “Ofereceram-me uma máquina de café expresso, mas ainda não percebi como funciona o dispositivo”, “Um especialista recomendou-me instalar um dispositivo que regula a intensidade da luz”, “Esta estufa tem um dispositivo que permite programar o horário de ligar e desligar”.

A noção de dispositivo é bastante popular na informática, uma vez que esse termo é usado para fazer referência aos periféricos e outros sistemas associados ao funcionamento dos computadores.

Neste sentido, um dispositivo de armazenamento de dados é um componente que permite ler ou escrever informação digital num meio ou suporte. O dispositivo, por conseguinte, guarda arquivos informáticos, lógica e fisicamente. Um disco rígido, uma unidade de DVD-ROM e um leitor de cartões de memória são dispositivos de armazenamento de dados.

Nesse caso, por exemplo, configuram-se também como dispositivos os chamados USB stick ou USB flash drive (no Brasil chamados de pendrive) onde se pode transferir arquivos de áudio, vídeo, texto, imagem, etc., os dispositivos bluetooth, entre outros.

Dá-se o nome de dispositivo autónomo àquele que tem uma fonte de alimentação independente e que, por conseguinte, pode ser activado/ligado sem conexão. No âmbito específico da computação, o dispositivo autónomo pode funcionar sem necessidade de estar ligado ao computador (como um equipamento multifunções).

Os aparelhos telefônicos móveis (celulares e smartphones), bem como os tablets e vídeo games portáveis, são também conhecidos como dispositivos, mas esses levam o nome de dispositivos moveis, uma vez que podem ser transportados e utilizados em qualquer lugar.

Há ainda os dispositivos cardíacos que são aparelhos que podem ser utilizados para medir a pressão e batimentos cardíacos ou que são implantados, por exemplo, como é o caso do chamado CDI (cardiodesfibrilador implantável).

Por outro lado, os dispositivos de proteção para instalações elétricas são equipamentos utilizados em função da proteção dos indivíduos que residem num ambiente e também do patrimônio. Há normas técnicas que regem o uso desse dispositivos, sendo que os mesmo podem ser: dispositivos de surto (ou sobretensões), disjuntores termomagnéticos, diferencial residual, etc. Todos esses ajudando a evitar choques elétricos e também variações de tensão na rede, por exemplo.

No caso do disjuntor termomagnético, esse dispositivo ajuda a proteger contra sobrecargas na rede elétrica e sobrecorrente, ele funciona se autodesarmando quando identifica um calor anormal, o qual indica uma corrente excedente.

Enquanto o diferencial residual destina-se para a proteção de indivíduos contra choques elétricos.

Por fim, os dispositivos de proteção de surto ou de sobretensões tem o objetivo de, especialmente, proteger a integridade dos aparelhos eletrônicos e elétricos conectados à rede elétrica.

Um dispositivo braille é uma máquina electrónica que interpreta ou gera linguagem braille, seja física ou virtualmente. Estes dispositivos costumam ser usados como periféricos externos de um computador.

Na linguagem geral, por fim, um dispositivo pode ser a organização que se leva a cabo para realizar uma ação: “A polícia montou um dispositivo para apanhar o ladrão dentro do banco”.