Conceito de imaginação


Abr 30, 14

Do latim imaginatĭo, imaginação é a faculdade de uma pessoa para representar imagens de coisas reais ou ideais. Trata-se de um processo que permite manipular a informação criada no interior do organismo (sem estímulos externos) para desenvolver uma representação mental.

A imaginação, deste modo, permite ter em mente um objecto que se tenha visto anteriormente ou criar algo novo sem nenhum fundamento real. Ao imaginar, o ser humano manipula informação da memória e converte elementos já percebidos numa nova realidade.

O conceito, por conseguinte, pode usar-se em referência à capacidade para desenvolver este processo mental e ao resultado do mesmo. Exemplos: “A minha filha tem uma imaginação muito fértil: ontem à noite, contou-me uma história de um pequeno tigre voador que a visita durante a noite”, “A minha imaginação levava-me a crer que vivia um crocodilo debaixo da minha cama”, “Não é um perigo real, é apenas fruto da tua imaginação”.

A noção de imaginação também é usada para designar qualquer raciocínio sem fundamento ou que se sustenta em algo que não existe na realidade: “Os fundamentos dele são pura imaginação: não há nada que comprove o que ele diz”, “Quero uma resposta concreta e não ideias loucas que derivem da tua imaginação”.

A imaginação também se pode associar à facilidade de desenvolver novos projectos ou formar ideias novas: “Preciso que uses a tua imaginação para pensar num lema ou num slogan que identifique esse produto”, “Graças à imaginação do meu cunhado, hoje temos uma empresa que funciona de vento em poupa”.