Conceito de anomia




Dez 05, 11 Conceito de anomia

Para a psicologia e a sociologia, a anomia é o conjunto de situações que resultam da carência/ausência de normas sociais ou da sua degradação. O conceito também pode fazer referência à ausência de lei ou ao distúrbio da linguagem que impede de chamar as coisas pelo seu nome (dicção patológica).

Noutros termos, a anomia é, para as ciências sociais, a incapacidade da estrutura social em proporcionar a certas pessoas aquilo de que precisam para superarem as metas e os desafios da sociedade. Por isso, a anomia oferece uma explicação sobre a conduta desviante.

Em termos concretos, a anomia diz respeito a um desvio ou uma ruptura das normas sociais, mas não das leis: quando alguém desobedece às leis, está a cometer um delito. Os grupos socioeconómicos menos favorecidos são os que sofrem maior pressão, levando-os assim ao desvio das normas sociais. Desta forma, a anomia é um colapso de governabilidade por não conseguir controlar uma emergente situação de alienação experimentada por um individuo ou uma subcultura.

Os principais impulsores do conceito são os sociólogos Emile Durkheim e Robert Merton. Na opinião deste último sociólogo, a anomia é o resultado da relação entre os fins culturais (como os desejos e as esperanças dos membros da sociedade), as normas que determinam os meios para permitir que os indivíduos tenham acesso a esses fins e a repartição existente desses meios.

Merton observa ainda que a anomia é uma dissociação entre os objectivos culturais e o acesso de certos sectores aos meios necessários. A ruptura social tem lugar a partir do momento em que a relação entre os meios e os fins se debilita.