Conceito.de

Conceito de facilitador

O facilitador é uma pessoa que desempenha funções de orientador ou de instrutor numa atividade. Em alguns países, o termo é usado como sinónimo de professor ou de mestre.

O conceito também permite referir-se aos oradores em seminários ou em eventos similares. Trata-se de especialistas e profissionais altamente preparados relativamente ao tema abordado, que procuram desenvolver o potencial dos assistentes ou da audiência.

No trabalho em equipa, o facilitador é aquele que dirige o fluxo das discussões e é quem se encarrega de propiciar o diálogo dentro do respeito. Posto isto, a sua tarefa consiste em eliminar os obstáculos, resumir os diferentes pontos de vista e fomentar o espírito positivo e produtivo.

Convém destacar que o facilitador não é nem o líder nem o chefe do grupo, mas sim o responsável na direção do processo para que todos os participantes se enfoquem nos objetivos. É importante que o facilitador se mantenha neutro ao longo dos debates.

Nas reuniões, enquanto animador, o facilitador toma providências para que esta satisfaça as necessidades dos participantes, ajuda a desenvolver a confiança entre os parceiros e a que estes tomem consciência dos acontecimentos. Na sua qualidade de dinamizador, deve garantir atitudes ativas e a reciprocidade. Compete-lhe, enquanto intermediário, simplificar, isto é, tornar as coisas mais fáceis e acessíveis.

No seio das estruturas, é o elo entre os compradores públicos e as empresas. Cabe-lhe a ele ajudar a definir as cláusulas que têm de ser adaptadas a cada mercado, detectar as pessoas potencialmente interessadas, colocar os parceiros em contato uns com os outros e acompanhar a boa execução dos compromissos das empresas e das pessoas em benefício do comprador.

O facilitador ajuda um grupo a conseguir encontrar a solução para um determinado problema e, para isso, ele desenha o processo que esse grupo deve seguir para chegar a um objetivo.

Alguns exemplos da função do facilitador seriam: ajuda um grupo a equilibrar relações interpessoais e conseguir melhorar o desempenho desse grupo. É por isso que essa figura é muito presente em algumas empresas.

Nas relações de trabalho, por exemplo, é bem mais fácil que se consiga adotar uma abordagem de controle que seja unilateral, contudo essa abordagem não é a ideal para um processo colaborativo, impedindo que esses três pontos acima citados sejam entregues. Por isso, a abordagem adequada aqui é a de aprendizagem mútua, pois ela garante esses três elementos citados para um grupo.

A função de facilitador pode ser desempenhada por qualquer indivíduo que queira, mas esse deve se abastecer de métodos e de processos que o ajudem a garantir a melhora no desempenho da equipe, nas relações interpessoais e também a garantir o bem-estar dela. Mas não apenas isso. O facilitador deve ainda se munir de capacidades como a empatia e a resolução de conflitos de maneira eficaz.

Cada vez mais os facilitadores tem ganhado lugar de elevada importância, pois com o avanço da tecnologia tem-se mais tarefas e há maior necessidade em se entender processos complexos. Com isso, o facilitador ajuda na compreensão de conteúdos de maior complexidade e, ainda, na tomada de decisões de maneira assertiva, ajudando a tornar as reuniões mais produtivas também.