Conceito.de

Conceito de país

Pode-se dizer que a palavra país, que provém de forma direta do francês pays, não tem definição própria ou exclusiva. O termo é usado como sendo o sinónimo mais usual de Estado-nação. Aliás, o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora aponta para outros conceitos para a definir, indicando que um país é uma nação, uma região ou um território.

Um país é, como tal, uma determinada área geográfica e uma entidade politicamente independente, que conta com o seu próprio governo, a sua administração, as suas leis, as suas forças de segurança e, obviamente, a sua população. Porém, um Estado pode ser formado por vários países ou nações, como é o caso da Espanha (com o País Basco e a Catalunha, por exemplo).

Como tal, a palavra país comparte, por assim dizer, o mesmo significado que o da palavra nação (do latim nātio), em especial na sua acepção como nação política. Ou seja, trata-se do âmbito jurídico-político e da soberania constituinte de um Estado.

Os países encontram-se divididos por linhas imaginárias que determinam o seu território. Estas linhas são conhecidas pelo nome de fronteiras, as quais são responsáveis pela delimitação do espaço no qual cada Estado tem a sua jurisdição.

Um país compreende várias regiões e nessas regiões tem-se os estados e, por fim, nesse estados tem-se as cidades. No caso do Brasil, por exemplo, temos ele como país e ele é divido por regiões como norte, nordeste, sul, sudeste e centro-oeste. Dentro de cada uma dessas regiões estão os estados:

– Na região nordeste estão estados como Ceará, Bahia, Pernambuco, Paraíba, etc.

– Na região sul estão estados com Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, etc.

– Há na região norte os estado de Acre, Amazonas, Pará, Roraima, Amapá, etc.

– E assim segue-se com as demais regiões e estados.

E dentro de cada um desses estados estão várias cidades: no Paraná estão as cidades de Curitiba, Londrina, Maringá, Foz do Iguaçu, Guarapuava, etc.

Quando um país se encontra sob o domínio de um país remoto (isto é, que não possa decidir o seu próprio governo e administração) converte-se numa colónia.

Convém mencionar que os países são representados pelos respectivos governos em diversas organizações internacionais, as quais podem ser científicas (como a Agência Espacial Europeia, por exemplo), económicas (o Mercosur/Mercado Comum do Sul), policiais (o Interpol) ou político-económicas (a ONU, a União Europeia, etc.).

Uma pessoa que nasceu num país não pode viver em outro sem possuir uma cidadania (que o torna cidadão naquele país). Por exemplo: quem é nascido em Portugal pode viajar de férias para os Estados Unidos, mas não pode viver lá para sempre sem uma cidadania (um documento que atesta que aquela pessoa pode viver livremente naquele país). Essa cidadania concede a um indivíduo direitos e também deveres num país.

No caso de quem pretende morar permanentemente em outro país, é possível conseguir essa cidadania de diferentes formas, por exemplo: abrindo uma empresa ali, casando-se com um cidadão daquele país, tendo um visto de trabalho de longo prazo, entre outros. Mas cabe aqui dizer que cada país possui as suas regras quanto a obtenção da cidadania.