Conceito de psicologia científica




Jun 09, 12 Conceito de psicologia científica

A palavra psicologia deriva do grego psico- (“alma”, “actividade mental”) e -logia (“estudo”). Trata-se da ciência que estuda os processos mentais através de três dimensões: cognitiva, afectiva e comportamental.

A psicologia científica, despojada da especulação e da metafísica, nasceu no século XIX. Com a psicofísica, que visa medir o mental de forma quantitativa e procura estabelecer uma ligação entre o físico e o psicológico, a psicologia passou a fazer parte das ciências objectivas.

O primeiro laboratório de psicologia científica foi estabelecido por Wilhelm Wundt em Leipzig (Alemanha). Desde então, a psicologia tem vindo a conquistar incessantemente progressos no conhecimento empírico dos processos mentais e no comportamento.

No século XX, a psicologia comportamental norte-americana e a psicologia soviética coincidem nas exposições experimentais e epistemológicos positivistas. Posto isto, a disciplina enquadra-se nas ciências naturais e a conduta (comportamento) substitui a mente enquanto objecto de estudo.

Contudo, em meados do século, a psicologia cognitiva recupera o estudo dos processos mentais apesar de manter os métodos experimentais do condutismo (comportamentalismo ou behaviorismo). A noção de que a ciência se constrói a partir do empírico e do objectivo nunca é posta de lado.

A combinação das teorias e práticas comportamentais e cognitivas possibilitaram o aparecimento de técnicas para resolver problemas individuais e sociais, bem como o desenvolvimento de terapias cientificamente comprovadas.

Para além da psicologia científica restam as psicologias alternativas (ou pseudopsicologias), as quais rejeitam o método científico, como é o caso, por exemplo, da parapsicologia, sendo esta disciplina criticada por muitos especialistas.