Conceito.de

Conceito de acento

O termo acento deriva do termo latim accentus que, por sua vez, tem origem num vocábulo grego. Trata-se da articulação da voz para enfatizar, através da pronunciação, a sílaba de uma palavra. Esta distinção produz-se através de uma maior intensidade ou elevando o tom da voz.

No caso da língua falada, este relevo da pronunciação chama-se tonicidade. Nos textos escritos, existem os acentos ortográficos, como é o caso do grave, do agudo, do circunflexo e do tile. No caso da língua portuguesa, a tonicidade de uma palavra coincide com a respectiva sílaba tónica, isto é, aquela que é pronunciada com mais intensidade e rapidez. A maioria das palavras portuguesas são graves (ou paroxítonas), ou seja, aquelas em que a sílaba tónica/a ênfase é colocada na penúltima sílaba (“cabelos”). No entanto, também admite palavras agudas/oxítonas (última sílaba: “maré”) e palavras esdrúxulas/proparoxítonas (antepenúltima sílaba: “fósforo”).

Curiosamente, a título de exemplo, a língua francesa, ao contrário da maioria das línguas romanas, tem unicamente palavras agudas, pelo que estas são pronunciadas sem distinção de intensidade nem de ritmo. São pronunciadas de forma equilibrada, por assim dizer.

Na música, o acento indica onde recai o peso da pulsação. Neste sentido, o acento aparece como uma marca dentro da pauta musical, que assinala que nota se deve reproduzir, isto é, tocar, com maior intensidade.

Por fim, na poesia, o acento rítmico é uma figura de estilo (recurso estilístico) que consiste num elemento constitutivo do verso.