Conceito de pensamento divergente


Set 11, 13

Aquilo que existe através da actividade intelectual faz parte do pensamento. Trata-se de um produto da mente que surge a partir da actividade racional do intelecto ou das abstracções da imaginação.

É possível fazer a distinção entre diversos tipos de pensamento, conforme a operação mental em questão. O pensamento dedutivo, o pensamento indutivo, o pensamento sistemático, o pensamento crítico e o pensamento analítico são alguns deles.

Divergente, por sua vez, diz-se daquilo que diverge (que discrepa, que discorda, que se afasta ou que se separa). Portanto, o pensamento divergente ou o pensamento lateral consiste na busca de alternativas ou de possibilidades criativas e diferentes para a resolução de um problema.

Pode-se incluir o pensamento divergente dentro do pensamento criativo, o qual está mais relacionado com a imaginação do que com o pensamento lógico-racional. A noção foi inventada pelo psicólogo maltês Edward De Bono, para quem o pensamento divergente é uma forma de organizar os processos de pensamento através de estratégias pouco ortodoxas. O objectivo consiste em produzir ideias que se desviem das linhas directrizes do pensamento habitual.

Para De Bono, o pensamento lateral pode desenvolver-se através da prática de técnicas que ajudem a olhar para um mesmo objecto a partir de diferentes perspectivas. O pensamento divergente constitui um motor de evolução pessoal e social pelo facto de fornecer novas respostas a problemas conhecidos.

O psicólogo maltês reconhece três grandes tipos de obstruções do pensamento: a falta de informação, o bloqueio mental e o peso do óbvio. Neste último caso, quando o óbvio (a evidência) do problema impede de antever uma melhor opção, pode ser superado através do pensamento divergente.