Conceito de petonisa


Nov 28, 14

O oráculo de Delfos recebia a constante visita dos Gregos que desejavam realizar consultas às divindades para conhecer o seu futuro. Os governantes da época, de facto, baseavam as suas decisões mais importantes nas respostas que percebiam deste oráculo.

A mulher que se encarregava de receber as inquietudes e de as transferir para os deuses para depois responder em seu nome recebia o nome pitonisa. Estas sacerdotisas viviam no templo e sentavam-se sobre um móvel conhecido como trípode para dar os oráculos.

Hoje, por extensão, chamam-se pitonisas a todas as mulheres com poderes sobrenaturais. Uma pitonisa pode ser uma bruxa, uma adivinha ou uma maga.

Exemplos: “Dizem que o presidente consulta uma pitonisa antes de tomar uma decisão de peso”, “A vizinha que vive no piso de cima assegura ser uma pitonisa e faz sempre comentários sobre o futuro”, “Estão a deter uma mulher que se fazia passar por como pitonisa, estafava idosos e ficava com as poupanças”.

Actualmente, a sociedade costuma descrer da capacidade daqueles que asseguram poder antecipar/prever o futuro ou comunicar-se com as divindades, pelo que não são muitas as pessoas que se definem como pitonisas.

Uma pitonisa que, sem sombra de dúvidas, deu que falar no último século foi Jeane Dixon, autoproclamada psíquica e astróloga nascida no ano de 1904 na América do Norte, onde faleceu 93 anos mais tarde. Em grande parte, deveu a sua fama às diversas colunas acerca de astrologia que redigia nos jornais da época e aos seus quase 10 livros, o último dos quais foi publicado um ano depois da sua morte.

Durante a sua infância, um encontro com uma cigana mudou-lhe a vida para sempre: assim que lhe leu a mão, contou-lhe que um dia seria uma pitonisa muito famosa a nível mundial, e que ajudaria pessoas de muito poder a levarem a cabo as suas carreiras. O meio envolvente de Jeane Dixon, por outro lado, não era muito inspirador no que diz respeito a coisas sobrenaturais: tanto o seu pai como o seu marido dedicavam-se à venda de automóveis, e ela mesma participou do negócio deste último durante vários anos, assumindo o cargo de presidente.

Entre as suas previsões mais destacadas encontra-se a que fez referência à morte do presidente John F. Kennedy. Quatro anos antes das eleições de 1960, Dixon viu que o vencedor seria um democrata e que morreria em funções ou serrilha assassinado. Também foi destaca a sua declaração acerca das feridas que redibiria um dos papas do século XX, quase trinta anos antes de Juan Pablo II sofrer um atentado.