Conceito de rupestre


Fev 14, 16

Rupestre é um adjectivo que deriva do vocábulo latino rupes, que se pode traduzir por “pedra”. O conceito, por conseguinte, refere-se àquilo que está relacionado com as pedras.

Exemplos: “Nesta zona há pinturas rupestres de grande valor histórico”, “O meu irmão é especialista em arte rupestre”, “Não há demasiada vegetação neste monte, apenas algumas plantas rupestres”.

Dá-se o nome de arte rupestre aos desenhos e às pinturas que os homens pré-históricos realizavam sobre rochas/pedras. Trata-se de manifestações artísticas primitivas que, por serem muitas das vezes realizadas no interior de cavernas e covas, conseguiram persistir apesar do passar do tempo.

As pinturas rupestres, em geral, têm uma pretensão mágica para favorecer a caça. Os desenhos mostram cenas onde os homens caçam animais, possivelmente desejosos que aquilo se concretize na realidade.

A arte rupestre também costumava representar a vida quotidiana do homem e plasmar as mãos das pessoas sobre as paredes das cavernas. Deste modo, o ser humano pré-histórico interagia com o seu entorno e com as suas divindades.
Para realizar as pinturas rupestres, as pessoas utilizavam desde minerais até carvão vegetal, passando por dejectos corporais. Os especialistas acreditam que os pigmentos eram combinados com gordura, resina ou outro aglutinante.

Cabe destacar, por outro lado, que as plantas que crescem em terrenos pedregosos recebem a qualificação de rupestres, como o Phagnalon rupestre (um semiarbusto da região mediterrânea) e a Sedum rupestre (uma planta herbácea podendo chegar a medir cerca de trinta centímetros de altura).