Conceito de ADN recombitante


Set 20, 17

Designa-se ADN o ácido desoxirribonucleico, um biopolímero que compõe o material genético que albergam as células. O ADN tem a informação genética que os seres vivos usam para o seu funcionamiento e permite que essa informação seja transmitida através da herança.

OADN é composto por uma sequência de unidades simples, chamadas nucleótidos (que, por sua vez, são formados por um grupo fosfato, uma base nitrogenada e um açzúcar). Quando uma molécula de ADN se forma artificialmente a partir da união de diferentes sequências de ADN que derivam de dois organismos diferentes, fala-se de ADN recombinante.

Pode-se dizer que o ADN recombinante supõe uma molécula de ADN artificial. Quando essa molécula criada in vitro se introduz num organismo, tem lugar uma alteração genética que modifica as suas características.

Chegando à criação e ao desenvolvimento do ADN recombinante, temos que realçar que estes ocorreram após uma série de estudos feitos por investigadores sobre o conhecimento das enzimas de restricção, a replicação de vírus e plásmidos, a replicação e reparação de ADN ou a síntese química das chamadas sequências de nucleótidos.

A tudo o que foi exposto acima, há que realçar que é necessário saber que a técnica do ADN recombinante hoje em dia é utilizada em grande medida tanto no desenvolvimento dos organismos transgénicos como na regulação da produção de síntese de proteínas, como pode ser o caso da insulina. Sobre o processo em si da produção do dito ADN, podemos determinar que é composto por seis fases claramente delimitadas:

-A preparação da sequência do ADN para poder produzir a pertinente clonagem.
-A preparação posteriormente do vector de clonagem a usar.
-A formação em si do ADN recombinante.
-A introdução daquele na célula anfitriona.
-A propagação do cultivo.
-A detecção e a selecção dos clones recombinantes.

Para o desenvolvimento do ADN recombinante, os biólogos trabalham em primeiro lugar com uma molécula de ADN de uma bactéria, um vírus, uma planta ou outro organismo, manipulando-a no laboratório. Depois, introduzem essa molécula num organismo diferente. Esta prática pode ser útil para a criação de vacinas ou para tratar determinadas doenças.

A geração de ADN recombinante implica a propagação de uma sequência de ADN que alberga um interesse particular, para a conduzir a um organismo que não dispõe de tal sequência e, por conseguinte, também não dos productos. A partir destes processos, é possível obter microorganismos alterados do ponto de vista genético para produzir medicamentos, obter alimentos transgénicos e criar plantas que resistem ao ataque de pragas.