Conceito de espermatozóide


Set 20, 17

O termo espermatozóide, que deriva do vocábulo francês spermatozoïde, alude ao gâmeta masculino, isto é, à célula sexual, seja ela masculina (o dito espermatozóide) ou feminina (o óvulo).

Quando o espermatozóide e o óvulo se unem, forma-se o zigoto. À medida que o zigoto se desenvolve, começam a suceder-se as diversas etapas que derivam mais tarde no nascimento de um novo ser.

Conhece-se pela designação de espermatogénese o processo de produção de espermatozóides, que tem lugar nos testículos (as glândulas sexuais masculinas). No caso dos seres humanos, quando um jovem alcança a maturidade sexual na puberdade, começa a produzir espermatozóides e está biologicamente preparado para a reprodução.

Os espermatozóides têm cabeça e uma cauda conhecida por flagelo que lhes permite moverem-se. A sua expulsão do organismo dá-se através da ejaculação, que se pode produzir por uma poluição nocturna, a masturbação ou relações sexuais. Com a ejaculação, os espermatozóides saem através da uretra, uma conduta que se encontra no pénis.

Deste modo, quando um homem penetra uma mulher pela vagina e ejacula no interior, os espermatozóides podem fecundar os óvulos: se isto acontecer, a mulher engravida.

Cabe destacar que o fluído expulsado durante a ejaculação recebem o nome de sémen e apresenta, para além de milhões de espermatozóides, outras substâncias produzidas pelo aparelho sexual. O ser humano costuma expulsar entre dois e quatro mililitros de sémen na ejaculação, que contêm entre sessenta e trezentos milhões de espermatozóides.