Conceito de investimento


Nov 29, 11

Um investimento, em termos económicos, é capital que se aplica com o intuito de obter rendimentos a prazo. Esta aplicação supõe uma escolha que resigna um benefício imediato por um futuro e, em geral, improvável.

Por exemplo: um homem tem uma poupança de 20.000 euros. Com esse dinheiro, pode comprar um automóvel. No entanto, decide investir esse dinheiro em acções de uma empresa a fim de as vender, mais tarde, por um preço mais elevado. Esses 20.000 euros investidos em acções podem converter-se, num período de cinco anos, em 40.000 euros. Nessa altura, a pessoa irá poder usufruir do seu investimento e verá duplicar o seu capital, com o qual poderá não só comprar o tal veículo como ainda lhe sobrará dinheiro. No entanto, convém relembrar que, inicialmente, teve de abdicar da satisfação imediata de um desejo (a compra do carro).

As empresas tendem a fazer investimentos com alguma frequência. Algumas são necessárias para o seu funcionamento quotidiano (como a compra de computadores, por exemplo). Outros são realizados com vista a obter lucros no futuro, como a compra de uma custosa máquina que permita incrementar a produção.

Neste prisma, uma empresa têxtil cuja capacidade diária de produção seja de 1.000 calças decide adquirir una máquina para produzir 2.000 calças por dia. No início, o investimento irá constituir despesas para a empresa, tendo em conta que terá de desembolsar dinheiro para comprar essa máquina. O objectivo consiste em recuperar esse dinheiro através do aumento da produção e, com o passar do tempo, obter mais lucros do que aqueles que conseguia antes de fazer a aquisição da máquina.

Um investimento contempla três variáveis: o rendimento esperado (quanto se espera ganhar), o risco aceitado (que probabilidade há-de obter o rendimento esperado) e o horizonte temporal (quando se irá obter lucros).