Conceito de investimento estrangeiro


Mar 04, 12

No campo da economia e das finanças, um investimento é uma aplicação de capital com a finalidade de obter lucros futuros. A decisão de investir supõe abster-se de um benefício imediato por um futuro que é incerto.

Na hora de investir, há que contemplar três variáveis: o rendimento esperado (isto é, quanto se conta ganhar com o investimento), o risco aceite (associado às probabilidades de obter o rendimento esperado) e o horizonte temporal (quando é que o investimento irá render; a curto, médio ou longo prazo).

Relativamente ao investimento estrangeiro, trata-se da aplicação de capitais num país estrangeiro, ou seja, noutro país que não aquele de onde vem o capital. A noção de investimento estrangeiro directo diz respeito às empresas que desejam internacionalizar-se e instalar-se noutros países.

Com o processo da globalização, o investimento estrangeiro começou a viver um período de expansão, limitado em momentos de crise económica. A globalização implica o livre fluxo de capitais, o levantamento das restrições alfandegárias e tributárias, a circulação de pessoas e de bens e outras características que contribuem para o investimento estrangeiro.

O país que recebe o investimento deve ter em conta as consequências deste. Por um lado, o investimento estrangeiro costuma criar postos de trabalho e rendimentos impositivos para o país receptor (de acolhimento). Mas, por outro lado, os ganhos costumam voltar para o país de origem. Para além disso, há que ter em conta que, muitas das vezes, os projectos impulsados pelo investimento estrangeiro geram danos ambientais que prejudicam a comunidade local.