Conceito.de

Conceito de livre-arbítrio

Escutar o artigo

O livre-arbítrio se trata da liberdade que se tem para escolher, escolhendo em função do próprio desejo. Assim, uma pessoa tem a possibilidade de decidir por qual caminho quer seguir, que comida quer comer, se vai ou se fica, etc., tudo devido ao livre-arbítrio.

livre-arbítrio
Com o livre-arbítrio, as pessoas escolhem pode onde trilhar

“Arbítrio” é um termo que de acordo com os dicionários possui o significado de decisão que apenas depende da vontade. Enquanto isso, “livre” designa o que ou quem possui autonomia, com livre-arbítrio então tendo o significado de autonomia para escolher algo ou decidir sobre alguma coisa.

Um pai pode deixar seu filho escolher com qual brinquedo brincar e assim ele aprenderá sobre eles e verá qual é mais divertido e com qual se identifica mais, por exemplo.

Também, um chefe pode oferecer livre-arbítrio para um funcionário que é de sua confiança para a realização de um projeto, permitindo que ele escolha o melhor conceito, que forme a equipe com os funcionários que acredita serem os melhores, etc.

Livre-arbítrio ou livre arbítrio?

O termo correto é escrito “livre-arbítrio, com o uso do hífen. A palavra livre arbítrio não existe na língua portuguesa, sendo, então, uma escrita errônea.

Sempre que o objetivo for se referir a liberdade que uma pessoa possui se deve usar o substantivo masculino livre-arbítrio. Veja a seguir alguns exemplos para uma melhor compreensão do seu conceito:

– Você possui o livre-arbítrio para tomar suas decisões, mas eu também possuo essa liberdade para tomar as minhas;

– Todos os brasileiros têm o livre-arbítrio para escolherem a profissão que gostam, mas nem sempre isso significa que terão uma boa remuneração;

– Os jovens devem ter o livre-arbítrio para tomarem algumas decisões em suas vidas e, assim, entenderem um pouco como o mundo funciona.

Livre-arbítrio na religião

Os cristãos pregam que Deus deu livre-arbítrio para os seres humanos e, por tanto, eles são livres para realizarem os feitos que desejarem, mas isso lhes gerará consequências. Com essa liberdade, há quem resolva fazer o mal e, logo, pratica o pecado.

Além do que, com essa liberdade, os seres humanos não estão livres de terem que assumir as consequências dos seus atos também perante a lei. Com o livre-arbítrio as pessoas poderiam praticar diferentes atos, mas muitos deles possuem leis que limitam ou restringem suas ações, como no caso dos roubos, que, segundo a religião, é pecado, sendo também uma transgressão das leis terrenas.

Posto isso, o livre-arbítrio para a religião se trata de uma capacidade de discernimento que Deus teria dado para todos os seres humanos, cabendo aos mesmos aprenderem como usá-la bem.

Na religião espírita, também de fala sobre o livre-arbítrio, sendo uma liberdade concedida por Deus para as pessoas. Ainda que haja essa liberdade para seguir pelo caminho do bem ou do mal, isso não quer dizer que Deus estaria alegre em ver as pessoas trilhando o caminho do mal. O que Deus faz é dar a liberdade de escolha.

Com essa liberdade, os seres humanos desenvolvem consciência sobre seus atos.

Livre-arbítrio para a filosofia

conceito de livre-arbítrio
O livre-arbítrio é muito comum de ser discutido na religião

Para a filosofia, o livre arbítrio é um conceito que vai contra o determinismo, que se trata de um conceito filosófico que defende que tudo o que ocorre é por conta de fatos anteriores. O determinismo prega que as ações dos seres humanos se determinam por causa das leis da natureza e outras, desse modo as pessoas não poderiam se responsabilizar pelos seus atos.

Assim, segundo a filosofia, a pessoa realiza o que tinha de realizar, com seus atos existindo em relação à sua vontade, sucedendo em virtude de causas do seu interior ou externas.

Livre-arbítrio e liberdade

Acontece, em muitos casos, do termo livre-arbítrio possuir o mesmo significado de liberdade. Mas para o filósofo e teólogo Santo Agostinho, esses são termos com conceitos diferentes.

De um lado, há o livre-arbítrio, que se trata da possibilidade de fazer suas escolhas entre o caminho do bem e do mal, e de outro lado está a liberdade, que se caracteriza pelo uso bom do livre-arbítrio. Desse modo, pode acontecer de uma pessoa ser privada de sua liberdade, mas não do livre-arbítrio.

Uma pessoa pode ser privada de sua liberdade, não sendo permitido que a mesma circule livremente, mas o livre-arbítrio segue atuando de forma interna, uma vez que nenhuma pessoa poderá impedir que essa pessoa use seus pensamentos e que faça discernimentos ali, em sua mente.

Um exemplo de pessoa que teve sua liberdade privada, contudo não o seu livre-arbítrio foi o romancista e poeta Miguel de Cervantes, que escreveu a famosa obra “Dom Quixote” enquanto estava na prisão. Ele se encontrava sem a sua liberdade, mas o livre-arbítrio lhe permitiu usar as atividades dos seus pensamentos, conceber e escrever essa obra.

Desse modo, o livre-arbítrio se encontra mais ligado com a vontade, ainda assim se diferenciado dela, pois a vontade seria uma ação ou ato, enquanto o livre-arbítrio seria mais uma faculdade.

Citação

SOUSA, Priscila. (5 de Dezembro de 2022). Conceito de livre-arbítrio. Conceito.de. https://conceito.de/livre-arbitrio