Conceito de pupilo


Out 13, 15

Pupilo é uma noção com vários usos. Procedente de pupillus, que é um vocábulo latino, o habitual é ser usado enquanto sinónimo de “aluno”, evocando assim um menino ou jovem relativamente ao seu professor, instrutor ou tutor. Exemplos: “O novo campeão regional de atletismo é pupilo do professor Franco”, “Fui pupilo desta escola durante cinco anos”, “Quero que o meu filho seja pupilo do Colégio São Mateus”.

Às vezes, o termo pupilo é usado como equivalente de aluno, estudante, aprendiz ou outros termos semelhantes. No entanto, é frequente ser usado especificamente em referência a todo o aluno que viva no estabelecimento (que lá passe as suas noites) ou que almoça na instituição.

Estas particularidades, por conseguinte, apresentam algumas diferenças no uso apropriado dos conceitos. O menino que entra na escola às 8 da manhã e sai às 13, sem receber qualquer refeição por parte da escola, pode designar-se estudante ou aluno. Em contrapartida, à criança que fique na escola até às 17 horas, almoçando na cantina, pode-se-lhe chamar de pupilo.

Da mesma forma, um menor que passa oito meses por ano na escola a viver dentro da instituição, poderá definir-se como pupilo ou aluno interno. Diferente é a situação daquele que todos os dias regressa a casa e logo no dia seguinte volta à escola, unicamente para assistir às aulas correspondentes.

No âmbito do desporto e da arte, são considerados pupilos aqueles que se formaram com alguma figura conhecida/célebre/famosa: “Fui pupilo de um tenor muito famoso, quem me ensinou tudo aquilo que hoje sei sobre a voz”, “O treinador considera-o seu pupilo preferido”.