Conceito de vivíparo




Jan 30, 12 Conceito de vivíparo

Do latim vivipărus, vivíparo é um adjectivo que permite fazer alusão à fêmea que pare as suas crias numa fase em que os fetos já estão bem desenvolvidos. Por outras palavras, diz-se que um animal é vivíparo quando o embrião deste se desenvolve no ventre materno, numa estrutura especial que lhe permite receber o alimento e o oxigénio necessários para crescer até ao momento do nascimento.

O viviparismo pode ter distintas formas. Há animais vivíparos que não têm placenta, como acontece com os marsupiais. Nestes casos, o feto é parido num estado prematuro, pelo que deve continuar a desenvolver-se numa bolsa exterior. O viviparismo placentário, em contrapartida, é o mais frequente no que diz respeito aos mamíferos.

As plantas também podem ser vivíparas, quando as respectivas sementes germinam antes de se separarem da planta mãe.

Pode-se estabelecer um contraste entre os animais vivíparos, os ovíparos e os ovovivíparos. Os ovíparos reproduzem-se pondo ovos no meio externo. O feto completa o seu desenvolvimento nesse mesmo ovo até ao momento da eclosão.

Os ovovivíparos, por fim, são os animais que albergam os ovos no seu interior até à eclosão, a qual pode produzir-se imediatamente depois de os ovos terem sido postos ou noutra altura.

Convém ter em conta que certas características são partilhadas pelas três formas de reprodução. Por exemplo, no oviparismo e no ovoviparismo, a nutrição do embrião depende das reservas do ovo. Os vivíparos e os ovovivíparos, por outro lado, partilham do facto de o respectivo embrião se desenvolver no corpo da mãe.