Conceito.de

Conceito de Arduino

Escutar o artigo

Arduino é uma plataforma para a criação de projetos eletrônicos (protótipos). Sua placa é única e ela é de código aberto, logo, qualquer pessoa pode ter acesso e realizar projetos, estudar, etc. E essa plataforma é composta de hardware e também de software.

Arduino
O Arduino possui tanto hardware quanto software de código aberto

Foi na cidade de Ivrea, na Itália, no ano de 2005 que essa plataforma surgiu. A princípio, essa plataforma foi criado com o objetivo de ser uma ferramenta de estudo, sendo usado em projetos interativos nas escolas.

Tanto o hardware como o software do Arduino são de código aberto, isso significa que quem usa essa placa de prototipagem pode realizar modificações conforme for necessário.

O Arduino se constitui num processador de computador em tamanho reduzido, que é ligado a uma placa onde encontram-se outras peças e isso permite que sejam realizados distintos projetos eletrônicos, ligando o meio analógico com o meio digital.

Posto a isso, essa plataforma faz a leitura e converte o sinal analógico para o digital, conseguindo então fazer a quantificação do sinal que está no pino. Para isso se usa o conversor chamado de conversor A/D (analógico para digital).

O uso do Arduino está disponível através da licença Creative Commons Attribution Share-Alike. Com isso, a pessoa que desenvolve um projeto por meio dele pode comercializar esse projeto sem ter que pagar royalty para ninguém. Além disso, por ser de código aberto, o seu projeto encontra-se disponível na internet, assim qualquer pessoa pode ter acesso aos seus arquivos e desenvolver a sua linguagem com base nele.

O inventor do Arduino

O Arduino derivou do chamado Wiring, que foi uma linguagem desenvolvida por Hernando Barragán, qual ele apresentou na tese de mestrado no Instituto Design de Interação de Ivrea (IDII). Com essa linguagem ele queria deixar mais fácil para as pessoas realizarem projetos de eletrônica, retirando a parte complexa e focando apenas no projeto em si, ou seja, para que tudo fosse mais objetivo.

E foram Massimo Banzi, David Mellis (aluno do IDII) e David Cuartielles quem mais tarde, a fim de ajudar a tornar o sistema mais barato, implementaram um suporte para o ATmega8, tempos depois esse grupo, agora também com Tom Igoe e Gianluca Martino, resolve realizar um projeto paralelo com base no Wiring, nascendo ali o Arduino.

A plataforma se tornou um sucesso mundial, havendo até mesmo uma menção honrosa pela Pix Arts Electronica.

Há muitos projetos que foram desenvolvidos a partir dessa plataforma. E existem até mesmo kits comercializados de projetos para ela, contendo tudo o que se precisa para um determinado protótipo.

Características da plataforma

conceito de Arduino
Há muitos projetos que foram elaborados a partir do Arduino

Um dos principais motivos que fazem muitos quererem aderir ao Arduino é o seu baixo custo para prototipagem. Além disso, há muitos softwares para simulação distribuídos de forma gratuita.

A facilidade de programar essa plataforma é mais uma vantagem, sendo que também existe uma comunidade de desenvolvedores que é muito grande.

Mas apesar do uso do Arduino não exigir experiencia em eletrônica, faz-se necessário que o indivíduo tenha um conhecimento mínimo sobre.

A placa do Arduino pode ser alimentada por um adaptador AC/DC, como também se pode utilizar a entrada USB para isso. E há nessas placas entradas analógicas que servem para a leitura dos sensores externos.

Mas nessas placas há ainda as saídas digitais e PWM, que são usadas com o objetivo de fazer o controle de atuadores, de motores, além de serem usadas para fazer o acionamento de drivers referentes a cargas que vem de fora.

O hardware do Arduino

Não há apenas um tipo de hardware para essa plataforma, mas existem muitos, tais como: Arduino Uno (o mais popular), Arduino Pro Mini, entre outros.

Quanto a plataforma de prototipagem, existem seis classes atualmente, sendo elas:

– 3D printing: Impressora 3D que foi criado por meio do Arduino;

– Entry Level: algo mais para os iniciantes no uso dessa plataforma;

– Enhanced Features: nessas há mais funcionalidades, sendo indicadas para protótipos com mais complexidade;

– Internet of Things: voltada para projetos da Internet das coisas;

– Education: sendo mais usada para passar estudos sobre programa e sobre eletrônica;

– Wearable: como o nome já sugere, essa plataforma é voltada para projetos wearables (dispositivo vestível).

Software da plataforma

Para que possam ser realizados os projetos, é necessário dispor de um software também, onde o Arduino usa o chamado Arduino Integrated Development Environment (IDE). Há ali um editor de texto onde se pode escrever o código, sendo que a mesma está em funções de C e C ++. Além de escrever os códigos, há como subir programas também.

E esse é um programa open-source, onde se pode fazer o download do mesmo na página oficial da plataforma Arduino. Esse IDE é desenvolvido em Java. Então, com o uso desse software, o usuário pode dizer ao equipamento o que ele precisa fazer.

Na plataforma do IDE, inclusive, existem muitos projetos de diferentes níveis, sempre com acesso livre. É um modo de se familiarizar com a placa de prototipagem e suas funcionalidades.

Citação

SOUSA, Priscila. (6 de Maio de 2022). Conceito de Arduino. Conceito.de. https://conceito.de/arduino