Conceito.de

Conceito de cisma

O termo grego “skhísma”, que pode ser traduzido como fenda, separação, chegou ao latim como “schisma”. Este vocábulo latino, por sua vez, derivou em nossa língua como cisma. O conceito é usado com referência a uma secessão, uma ruptura, um desacordo ou uma cisão.

Por exemplo: “As palavras do presidente do clube geraram um cisma na equipe”, “O governo tem a obrigação de evitar o cisma e trabalhar para alcançar a unidade do povo”, “A denúncia do gerente causou um cisma no seio da empresa”.

A ideia de cisma é frequentemente usada no contexto da religião para nomear a separação de uma comunidade de fiéis em dois ou mais setores. O Cisma do Ocidente e do Oriente ocorreu em 1054 e significou a ruptura entre o papa (líder da Igreja Católica Romana) e o patriarca ecumênico de Constantinopla (líder da Igreja Ortodoxa).

O Cisma do Ocidente, por outro lado, ocorreu entre 1378 e 1417. Nesse período, havia diferentes bispos que se enfrentaram para exercer a autoridade pontifícia da Igreja Católica. A disputa eclodiu no conclave de 1378, que resultou na eleição de Urbano VI como papa. Os cardeais franceses, no entanto, discordaram do desenvolvimento das eleições e se reuniram novamente em outro lugar, nomeando Clemente VII como papa. Entretanto, Urbano VI e Clemente VII decidiram excomungar-se mutuamente, deixando os católicos sem um líder claro: ambos se proclamaram como representantes de Deus na Terra.