Conceito.de

Conceito de cronópio

Escutar o artigo

Cronópio é uma noção criada pelo escritor argentino Julio Cortázar (1914-1984). Os cronópios são seres verdes e húmidos, de acordo com aquilo que imaginou o autor de “Rayuela – O jogo do mundo”, quem nunca deu grandes precisões sobre o aspecto físico destes personagens.

cronópio
 Um cronópio é um ser verde e úmido

A primeira vez que Cortázar utilizou o termo foi num artigo publicado em 1952, por altura em que resenhou um concerto que Louis Armstrong deu em Paris. O escritor teve essa ideia quando, no Teatro dos Campos Elísios da capital francesa, teve uma visão de uns globos verdes a flutuar em volta da sala.

O conceito dos cronópios ficou na mente de Cortázar, quem escreveu uma série de contos e poemas com estes personagens enquanto protagonistas que apareceram no livro “Historias de Cronópios e de Famas”, publicado em 1962.

De acordo com o que se depreende dos seus textos, os cronópios são criaturas idealistas, sensíveis e ingénuas. Posto isto, distinguem-se de outros seres imaginados pelo escritor, como os famas (pretensiosos e formais) e as esperanças (aborrecidas e ignorantes).

Cortázar soube esclarecer que o termo cronópio não tem nada que ver com o tempo, o que se poderia deduzir pelo prefixo “crono”. O Argentino limitou-se a garantir que foi uma palavra que lhe ocorreu e que lhe pareceu apropriada para evocar estes seres.

Com o passar dos anos, tanto Cortázar como os seus amigos e seguidores começaram a usar a noção de cronópio como um adjectivo ou um tratamento honorífico aplicado às pessoas que admiravam. Assim, Cortázar tende a ser chamado como O Cronópio Maior.

Cronopio (animal)

Foram encontrados na Argentina os restos de um animal que possuiria milhões de anos, esse mediria cerca de 15 centímetros e era um mamífero. Tal animal recebeu o nome de “cronopio” como uma forma de homenagear o escritor argentino Julio Cortázar, que teria sido a inspiração de um dos pesquisadores.

Os restos desse pequeno animal foram achados na Patagônia e esse teria caninos grandes, de acordo com uma reconstituição que teria sido feita desse animal e qual fora apresentada em Buenos Aires, na Argentina.

A descoberta do crânio desse animal permite reconhecer a anatomia do mesmo, onde aqueles que os descobriram acharam-no parecido ao “Scrat”, o esquilo protagonista da animação “A Era do Gelo”.

Também sobre o animal, esse teria sido uma presa dos dinossauros, posto que, acredita-se, o mesmo não dispunha de defesas.

A descoberta desse animal se deu no ano de 2011, sendo os responsáveis por isso Guillermo W. Rougier, Leandro C. Gaetano e Sebastián Apesteguía.

Artistas que se inspiraram nos cronópios

conceito de cronópio
 Julio Cortázar foi o criador do conceito de cronópio

A criação do termo cronópio ainda fez com que diversos artistas se inspirassem nessa criação de Cortázar. O primeiro exemplo foi o caso da pintora chilena Eva Holz, que produziu muitas pinturas inspiradas nessa criatura verde.

Mais um artista que se inspirou nos seres verdes de Cortázar foi escritor Luis María Pescetti, o qual possui uma obra que é conhecida como “¿Qué pasaría si un par de cronopios recorrieran una autopista?” (que na tradução em português seria “O que ocorreria se um casal de cronópios viajasse através de uma estrada?”.

Por fim, há também músicas onde seus autores se inspiraram nos cronópios, como é o caso da “Canción del Cronopio”, da bada Los Brujos.

Cronópio num uso figurativo

Se for feito um comparativo entre esses seres fictícios e as pessoas, alguém classificado como cronópio seria aquele que sonha demasiado, que é sensível para as artes e para diversas coisas da vida, sendo essa pessoa também apaixonada por criar, mas também que acaba se iludindo muito com pessoas e com coisas.

E na realidade, essa foi a intenção do autor, representar os seres humanos mais ingênuos, bons, divertidos, atrapalhados e irresponsáveis por meio dessa criatura. Desse modo, se alguém possui tais traços, então essa pessoa poderia ser considerada um cronópio.

Num dos trechos do seu livro, “Histórias de cronópios e de fama”, Cortázar descreve o quão grande é a ingenuidade dos cronópios, a ponto desses se deixarem ser atropelados por carros e ciclistas apenas por ficarem empolgados com suas canções, por exemplo.

Citação

Equipe editorial de Conceito.de. (11 de Junho de 2014). Conceito de cronópio. Conceito.de. https://conceito.de/cronopio