Conceito de regurgitação


Jan 04, 16

Regurgitação é o processo e o resultado de regurgitar. Este verbo remete para o acto de expulsar através da boca diferentes substâncias que se encontravam alojadas no estômago ou no esófago, sem necessidade de vomitar ou de realizar um esforço.

Nos seres humanos, a regurgitação é normal nos bebés. Isto deve-se a diversos motivos: o esfíncter gastroesofágico ainda não está bem fixado na região estomacal superior, o estômago fica cheio com demasiada rapidez ou o bebé “traga” ar. Por isso é frequente que as crianças de até sete meses aproximadamente regurgitem tanto pela boca como pelo nariz o leite que ingerem.

É importante assinalar que a regurgitação não causa mal-estar ao bebé nem representa um perigo para ele; mais ainda, também não pode produzir asfixia se olhe acontecer enquanto estiver entubado. Tanto é assim que o verdadeiro problema é tão superficial como o facto de sujar a sua própria roupa ou a da sua mãe, razão pela qual é normal pôr uma pequena toalha perto da sua boca após cada toma de leite.

Durante as primeiras semanas de vida, as crianças costumam regurgitar após cada ingestão, num prazo não superior a uma hora. No entanto, quando se começam a sentar, o qual ocorre aproximadamente aos seis meses, a frequência deste fenómeno diminui notavelmente e, finalmente, desaparece una vez que chegam ao ano de idade, ou até 2 meses antes.

Apesar de a regurgitação ser normal nos recém-nascidos, em alguns casos, apresenta-se com demasiada frequência, o qual pode derivar na intervenção médica e a aplicação de certos produtos. No entanto, antes de chegar a modificar a sua alimentação costuma recomendar a prática de algumas das diversas técnicas idealizadas para minimizar a regurgitação.
Nos adultos, por sua vez, a regurgitação revela um problema de saúde. O fenómeno pode dever-se a um aumento da pressão do abdómen, uma hérnia hiatal ou o desenvolvimento de acalasia, por exemplo.

Os animais, por sua vez, recorrem à regurgitação por diversos motivos. Espécies como o pinguim regurgitam parte da comida para alimentar as suas crias. Desta forma, as crias recebem o alimento já digerido directamente no seu pico.

Os condores, os urubus e outras espécies de aves regurgitam os ossos, os pêlos e outras partes das suas presas que não conseguem digerir. Aquilo que expulsam através da regurgitação se conhece como egagropilo, uma espécie de bola formada por estas substâncias expulsadas.