Conceito.de

Conceito de sujeito expresso

Escutar o artigo

No âmbito da gramática, denomina-se sujeito ao sintagma nominal, pronome ou substantivo que concorda em número e pessoa com o verbo. Um sujeito é um argumento verbal: um constituinte ou complemento que é requerido de forma obrigatória por um verbo.

sujeito expresso
O sujeito expresso é o que encontra-se explícito numa oração

O sujeito pode ser uma pessoa ou mesmo um objeto, por exemplo: “meu carro não está funcionando bem hoje” ou “o guarda-chuva não abriu a tempo”.

E quando referindo-se a uma pessoa, o sujeito expresso pode tanto ser uma pessoa definida com nome, como pode também ser definida por meio de pronome (eu, tu, ele, nós, vós, eles), por exemplo:

– Marcelo é conhecido por ser uma boa pessoa (aqui temos o sujeito expresso, que é Marcelo);

– Ele é conhecido por ser uma boa pessoa (aqui também temos o sujeito expresso, que é ele, um indivíduo do sexo masculino, ainda que não seja apresentado seu nome).

Reconhecimento do sujeito expresso

Existem diversos mecanismos para reconhecer o sujeito de uma oração. Quando se consideram critérios fonéticos, denomina-se sujeito expresso aquele que está mencionado de forma explícita na oração.

Exemplos: “O Carlos jogava futebol”. Neste caso, a oração contém um sujeito expresso (“O Carlos”). Podemos perguntar “quem jogava futebol?” e, deste modo, separar a oração em sujeito e predicado: “O Carlos” (sujeito expresso) “Jogava futebol” (predicado). O predicado é a parte da oração onde há o verbo e é ali também onde estão informações que dizem respeito ao sujeito. Assim, esses dois elementos andam lado a lado para trazer sentido para uma oração.

A tudo o que foi exposto acima há que acrescentar, da mesma forma, o facto de o sujeito expresso ter a particularidades de contar com um sintagma nominal, sendo que este pode ser colocado em qualquer parte dentro da oração.

Se a fonética do sujeito não for explícita na oração, dá-se-lhe o nome de sujeito tácito ou sujeito elíptico: “Jogava futebol”. Como se pode apreciar, nesta oração não há nenhum sujeito expresso, podendo tratar-se de diferentes pessoas: “Eu jogava futebol”. “Vocês jogavam futebol”, “Ela jogava futebol”. Em contrapartida, a expressão “O Carlos jogava futebol” explicita o sujeito.

Da mesma forma, podemos destacar que este outro tipo de sujeito também recebe o nome de sujeito implícito.

O sujeito expresso, em suma, é o mais frequente pois não deixa margens para dúvidas. Sempre fica mais claro construir orações com sujeito expresso do que apelar a um sujeito tácito.

Outros tipos de sujeito

conceito de sujeito expresso
Há ainda distintos tipos de sujeitos que podem estar presentes numa oração

Não podemos esquecer de mencionar que também há outros tipos de sujeitos. Posto isto, por exemplo, está aquele que se conhece como sujeito simples e também o sujeito composto. O tal simples é aquele que se caracteriza por ter um único núcleo, o que supõe que possa ser ou um substantivo ou um pronome. Seria o caso com a seguinte oração: “O Manuel é um grande jogador de futebol”. Neste caso, o sujeito é diretamente o Manuel.

Quando se fala de sujeito composto, por outro lado, e como é de imaginar, é aquele que tem dois ou mais núcleos. Posto isto, um claro exemplo seria “O Luís e a Eva passaram a tarde toda a jogar à bola”. O Luís e a Eva são o sujeito composto porque são eles quem realizam a ação de ter andado a divertir-se com a bola.

E também está o sujeito indeterminado, que é aquele que se destaca por ser desconhecido. Um claro exemplo seria: “Assaltaram a mercearia que está ao pé da minha casa”.

Há ainda a oração sem sujeito, que se trata daquela que possui verbos impessoais, por exemplo:

– Há dias que ficou desse jeito;

– Faz muito sol;

– Existia muito o que dizer;

– Haverá aula na segunda-feira?

Nessas orações, é comum o uso dos seguintes verbos: haver, ser, fazer, estar, etc.

A oração sem sujeito ou com sujeito inexistente é diferente da oração com sujeito indeterminado, pois essa última possui um sujeito, contudo o mesmo não se encontra explícito, não sendo possível saber quem praticou tal ação, por exemplo:

– Precisa-se de padeiro.

Mas há ainda o uso de orações com sujeito indeterminado onde há o infinitivo pessoal, veja um exemplo:

– Cuidar é essencial.

Por outro lado, a oração sem sujeito é aquela onde o mesmo inexiste, por exemplo:

– Choveu a tarde inteira.

Quando há o verbo haver, ele traz o sentido de existir e, logo, é um verbo impessoal, sendo que para o mesmo não existe sujeito. O que acontece então é que tudo o que vem depois desse verbo se caracteriza em complemento verbal:

– Há duas flores no chão.

Ou quando não existe nenhum termo que pratica ou que sofre uma ação verbal:

– Choveu na minha cidade ontem;

– Nevou muito na semana passada.

Sujeito composto para sujeito simples

Há casos em que se pode converter o sujeito composto em sujeito simples, por exemplo:

– Márcio e eu fomos até a casa do nosso amigo para a festa (sujeito composto);

– Nós fomos até a casa do nosso amigo para a festa (tornou-se em sujeito simples).

Citação

Equipe editorial de Conceito.de. (7 de Setembro de 2016). Conceito de sujeito expresso. Conceito.de. https://conceito.de/sujeito-expresso