Conceito de rotor


Abr 19, 16

Dá-se o nome de rotor ao componente que, numa turbina ou noutro tipo de máquina, gira. O conceito também é usado para designar especificamente o sistema que permite a sustentação de um helicóptero.

Para as máquinas eléctricas, o rotor é a contraparte do estator: ambos os elementos são imprescindíveis para transmitir a potência. O rotor é composto por um eixo associado a bobinas, ligadas ao núcleo que gira.

Nos automóveis, o rotor faz parte do distribuidor que permite a passagem da corrente de alta voltagem que, por sua vez, procede da bobina de ignição. A corrente transforma-se numa faísca que, quando alcança o eléctrodo da bugia, gera a combustão da mistura que se situa no interior do cilindro.

Os helicópteros, por outro lado, dispõem de vários rotores. O rotor principal encontra-se na zona superior da aeronave, ao passo que o veículo também dispõe de um rotor de cauda. Os rotores dispõem de aspas ou palas que, com o seu movimento, lhe dá força de empuxo e de sustentação ao helicóptero.

A noção de rotor também surge no ramo da matemática, mais especificamente em cálculo vectorial, o campo de análise de vectores num mínimo de duas dimensões que oferece técnicas bastante usadas pela física e pela engenharia. O rotor o rotacional é o operador de tipo de vectorial que revela a tendência que tem um campo vectorial a produzir rotação em torno de um determinado ponto. O conceito é usado em sentido matemático como o limite que existe na circulação do campo vectorial, alcançado quando a curva sobre a qual está integrado se reduz a um único ponto.

Síndrome de Rotor

Na medicina, dá-se o nome a uma doença pouco comum denominada precisamente síndrome de Rotor, a qual se herda de forma autossómica e recessiva; pode considerar-se benigna e não se conhece com segurança a sua etiologia (o estudo que procura dar com a causa de uma doença, e também o conjunto dessas causas). Relativamente ao nome, este faz referência ao apelido do médico Arturo Belleza Rotor, oriundo da Filipina.

A síndrome de Rotor tem em comum diversos elementos com a de Dubin-Johnson, salvo pela pigmentação das células do fígado, fenómeno que não tem lugar no primeiro. Entre os sintomas mais característicos desta síndrome pode destacar-se a icterícia, variação da cor das mucosas e da pele para um tom amarelado, devido a um aumento na bilirrubina acumulada nos tecidos e da falha no seu armazenamento e o seu processamento, especialmente dos que possuem mais fibras elásticas. De uma forma geral, a icterícia ocorre sem prurido.