Conceito de lácteo


Mai 30, 14

Do latim lactĕus, o adjectivo “lácteo” diz-se daquilo que pertence ou que é relativo ao leite. O adjectivo, quando aplicado a um alimento, significa que este deriva do leite (como o queijo ou o iogurte). Enquanto substantivo, chama-se “lacticínio”.

Exemplos: “As crianças devem consumir produtos lácteos para terem um crescimento saudável”, “Os queijos são os meus lacticínios favoritos”, “Os produtores comprometeram-se a não aumentar o preço dos produtos lácteos”.
O leite e os seus alimentos derivados (que, por norma, se obtêm a partir do processamento e da fermentação do leite) são altamente perecíveis e devem conservar-se num ambiente fresco/no frigorífico. Por isso, é importante que se mantenha a cadeia de frio até que o produto chegue ao consumidor final.

Acredita-se que o consumo de produtos lácteos se iniciou há cerca de 8.500 anos. As tribos nómadas do Neolítico foram as responsáveis pela domesticação de ovelhas e cabras e pelo início da produção láctea.

Hoje em dia, a maior parte dos lácteos são provenientes da vaca. Porém, também se consome leite de ovelha, de cabra, de búfala e de outros animais. Devido às suas propriedades nutricionais, os lacticínios são alimentos populares em todo o mundo.

O leite, a manteiga e a nata (creme de leite) são produtos lácteos sem fermentação, que se obtêm a partir da adição de nutrientes, da separação dos seus conteúdos gordos ou de outros processos. Entre os lácteos com fermentação, destacam-se o iogurte e o queijo.

Cabe destacar que o leite contém lactose, um dissacarídeo que não é tolerado por quem apresenta deficiências na produção de uma enzima chamada lactase, razão pela qual se diz que essas pessoas sofrem de intolerância à lactose.