Conceito.de
Conceito de

Rotação de culturas

Rotação de culturas é o nome que recebe uma técnica usada na agricultura. O método implica alternar os tipos de plantas que se cultivam num mesmo lugar com vista a não favorecer o desenvolvimento de doenças que afetam um tipo específica de culturas e evitar que o solo se esgote.

rotação de cultura
A rotação de culturas ajuda a evitar o desgaste do solo

Isto significa que, com a rotação de culturas, as espécies que se plantam num terreno se vão alternando em ciclos que estão relacionados com as estações. Isto contribui para o controlo das doenças e das pragas, e melhora a eficiência dos culturas (se se plantarem diferentes espécies num mesmo terreno em simultâneo, deve-se analisar as várias necessidades de cada uma relacionada com a rega, o abono, etc.).

A rotação de culturas serve para minimizar o desgaste do solo, fazendo a prevenção de erosão. Inclusive, quando a técnica se desenvolve de maneira eficiente, reduzem-se as hipóteses de nascerem ervas daninhas, uma vez que o solo se encontra ocupado durante todo o ano. Outro dos benefícios é o aumento na reserva de húmus: ao alternar diferentes plantas, algumas que tendem a esgotar o solo com outras cujo aporte em matéria orgânica é maior que o seu gasto, estimulamos a atividade dos microrganismos do substrato que são generosos com o terreno, pelo qual se promove um solo mais saudável e vivo.

Uma opção para a rotação de culturas é alternar couves e cenouras, por exemplo. Isto permite reduzir o risco de aparecimento de pragas e doenças: se nesse terreno só se cultivarem couves, acabaria por aparecer pragas que atacam este tipo de plantas. O mesmo aconteceria se plantassem unicamente cenouras. No entanto, ao alternar entre ambas as espécies, o controlo seria mais simples, não sendo necessário recorrer a pesticidas químicos.

Se você tem apenas alguns segundos, leia estes pontos chave:
  • A rotação de culturas é um processo de planejamento necessário para potencializar o solo e reduzir o seu desgaste.
  • A melhor prática de rotação de culturas inclui um período de descanso do solo e a divisão em grupos de plantas, alguns dos quais podem ser fixos e outros que mudam de posição.
  • Os benefícios da rotação de culturas incluem produção diversificada, melhorias nas condições do solo, controle de ervas daninhas, doenças e pragas, e contribuição para a agricultura sustentável.
  • A monocultura, ao contrário, pode levar à degradação do solo e à redução da disponibilidade de nutrientes, enquanto a sucessão de culturas refere-se à sequência repetitiva de culturas cultivadas na mesma área em diferentes épocas do ano.

Desenho da rotação de culturas

É importante conhecer as propriedades das plantas para determinar qual é o melhor ciclo a seguir na rotação de culturas. Isto permite potenciar o solo e reduzir o seu desgaste. Tudo isto faz parte do desenho da rotação de culturas, a fase de planificação que é absolutamente necessária para obter o maior número de benefícios.

A primeira coisa que se deve fazer para planificar o processo é determinar a duração total, devendo depois o solo descansar durante um tempo antes de voltar a ser usado para fins de produção; estima-se que uma média de 4 anos é o ideal para este tipo de método. Por outro lado está a divisão em grupos de plantas, o que deriva necessariamente numa setorização da horta para a sua correta distribuição.

Alguns grupos de plantas podem ser fixos, ou seja, não participar da rotação de culturas, mas permanecer no mesmo sítio durante todo o processo. Para evitar confusões, esse espaço deve estar corretamente delimitado e preferencialmente numa zona que não interfira no trabalho de rotação. Um exemplo deste tipo de cultivo são as flores ou as plantas que influem pouco na fertilidade do solo, como é o caso do ruibarbo ou do espargo, duas plantas perenes.

Para os grupos que mudarem de posição, é necessário preparar tantas porções de terreno quantos anos durar a rotação de culturas, de tal forma que cada planta leve/demore todo esse tempo em repetir zona. Entre os critérios a ter em conta para a divisão em grupos pode-se pensar no tipo de aproveitamento (com os subgrupos raiz, fruto, folha e sementes), a família de culturas (dividida em compostas, cucurbitáceas, leguminosas, solanáceas, crucíferas, gramíneas, liliáceas, quenopodiáceas e umbelíferas) ou os requisitos e aportes pontuais de cada planta no que toca aos nutrientes do solo.

Mais vantagens da rotação de cultura

Há diversas vantagens proporcionadas pela rotação de culturas. Além de conceder uma produção diversificada de alimentos e demais produtos agrícolas, se implementada adequadamente, e por um período mais longo, ela confere melhorias nas características físicas, químicas e mesmo biológicas do solo.

Ela também auxilia no controle de ervas daninhas, doenças e pragas. É uma prática que repõe a matéria orgânica e resguarda o solo da ação de agentes climáticos. Com essa prática há ainda como melhorar a viabilização do Sistema de Semeadura Direta e seus efeitos beneficentes diante da produção agropecuária e do ambiente de modo geral.

Com isso, se beneficia muito a agricultura sustentável, com o bom manejo do solo, evitando doenças, realizando o controle de pragas.

Por outro lado, a monocultura, ou também sistema de sucessão contínuo como soja-trigo ou soja-milho safrinha, costuma causar a degradação física, química e também biológica do solo.

A monocultura provoca também a redução da disponibilidade de nutrientes por causa das mudanças na atividade biológica e a degradação do solo. Essa alternativa ainda reduz o desenvolvimento do sistema radicular e gera o amontoamento de substâncias tóxicas ou que inibem o crescimento das plantas.

Diferença entre rotação e sucessão de culturas

conceito de rotação de cultura
A rotação de cultura melhora as características químicas, biológicas e físicas do solo

Mas há uma certa confusão entre o processo de rotação de culturas e a sucessão de culturas. E uma das coisas que diferentes esses dois é a organização e o planejamento das espécies que serão cultivadas na área ao longo do tempo.

Elas se diferenciam ainda no modo como se alternam as espécies vegetais em uma área em determinado tempo.

A rotação, explicando um pouco mais, se trata da alternância de espécies vegetais numa mesma área e mesma estação estival, devendo se atentar para o período mínimo de ausência do cultivo da mesma espécie.

Por sua vez, a sucessão se trata da sequência repetitiva de culturas que são cultivadas na mesma área. Mas o cultivo ocorrer em estação estival distinta de um mesmo ano agrícola.

Mas esses dois são processos comuns no processo de produção e são importantes.

Dentre os sistemas de sucessão mais habituais no Brasil há o sistema soja-milho, que se trata do principal no país. Outros são os sistemas de sucessão soja-trigo e também o soja-algodão. Mas todos esses, ainda que contribuam para intensificar a produção de grãos e de fibras, oferecem baixa diversificação vegetal, ocasionando ainda a degradação dos solos em diferentes esferas.

Citação

Equipe editorial de Conceito.de. (4 de Maio de 2016). Atualizado em 16 de Fevereiro de 2024. Rotação de culturas - O que é, vantagens, conceito e definição. Conceito.de. https://conceito.de/rotacao-de-culturas